Registros

Com Covid-19 em alta, Paraná registra o mês de agosto mais mortal desde 2002

Em agosto, mortes por Covid-19 representaram mais de 20% do total de óbitos no Estado
Em agosto, mortes por Covid-19 representaram mais de 20% do total de óbitos no Estado (Foto: Franklin de Freitas)

O Paraná registrou neste ano o mês mais mortal de toda a série histórica de estatísticas dos Cartórios de Registros Civil Brasileiros, em 2002. Conforme dados divulgados pelo Instituto do Registro Civil das Pessoas Naturais do Estado do Paraná (Irpen/PR), no último mês foram registrados um total de 7.187 óbitos no estado, número 13,9% superior aos 6.309 registros de agosto de 2019.

O levantamento do Irpen/PR considera duas fontes de dados. Uma delas é o Portal da Transparência dos cartórios,que traz dados mais recentes, referentes aos anos de 2019 e 2020. A outra é o IBGE, com a série histórica de estatísticas do Registro Civil, que também utiliza como fonte primária os dados dos Cartórios brasileiros e aponta que em 2018 (6.747), 2017 (6.453) e 2016 (6.609) a diferença no número de mortes em agosto também foi significativa na comparação com 2020.

Um dos fatores que ajuda a explicar esse aumento no último mês, inclusive, é a Covid-19. Com a ascendência da curva de propagação da doença no estado, agosto apontou o maior número de registros de óbitos por Covid-19 desde o mês de maio, com 1.503 mortes, 5,9% a mais em relação a julho, quando foram registradas 1.418 mortes pela doença.

De todas as mortes registradas em agosto de 2020, 1.503 são referentes a óbitos que tiveram a Covid-19 como causa, o equivalente a 20,9% do total. Quando somadas a estas mortes as ocorridas pelas demais doenças respiratórias – Insuficiência Respiratória (266), Pneumonia (550), Septicemia (564), Síndrome Respiratória Aguda Grave (35) e causas respiratórias indeterminadas (34), totalizando 2.952 óbitos – o índice sobe para 41%. Os óbitos restantes foram causados por Acidente Vascular Cerebral (AVC) (520), Infarto (454), Causas Cardiovasculares inespecíficas (406) e demais causas naturais (2.258). Há, ainda, 597 ocorridas por razões não-naturais, ou seja, decorrentes de causas externas violentas.