Bicampeão

Com golaço de Nikão, Athletico vence o Bragantino e se iguala aos maiores campeões da Sul-Americana

(Foto: Franklin de Freitas)
(Foto: Franklin de Freitas)
(Foto: Franklin de Freitas)
(Foto: Franklin de Freitas)
(Foto: Franklin de Freitas)
(Foto: Franklin de Freitas)
(Foto: Franklin de Freitas)
(Foto: Franklin de Freitas)
(Foto: Franklin de Freitas)
(Foto: Franklin de Freitas)
(Foto: Franklin de Freitas)
(Foto: Franklin de Freitas)
(Foto: Franklin de Freitas)
(Foto: Franklin de Freitas)
(Foto: Franklin de Freitas)
(Foto: Franklin de Freitas)
(Foto: Franklin de Freitas)
(Foto: Franklin de Freitas)
(Foto: Franklin de Freitas)
(Foto: Franklin de Freitas)
(Foto: Franklin de Freitas)
(Foto: Franklin de Freitas)
(Foto: Franklin de Freitas)
(Foto: Franklin de Freitas)
(Foto: Franklin de Freitas)
(Foto: Franklin de Freitas)
(Foto: Franklin de Freitas)
(Foto: Franklin de Freitas)

O Athletico Paranaense é novamente campeão da Copa Sul-Americana. Jogando no lendário Estádio Centenário, em Montevidéu (no Uruguai), o Furacão venceu o Red Bull Bragantino por 1 a 0 e garantiu o bicampeonato continental. O gol da vitória foi marcado por Nikão, que acertou um lindo e já histórico voleio no primeiro tempo de partida para abrir o placar e garantir o título rubro-negro.

Agora com duas taças da Copa Sul-Americana (a outra havia sido conquistada em 2018, em cima do Junior Barranquilla, da Colômbia), o Athletico se consagra o primeiro clube brasileiro a conquistar o bicampeonato da competição, igualando ainda o recorde de títulos dos argentinos Independiente (2010 e 2017) e Boca Juniors (2004 e 2005).

BOLADA NO BOLSO

Além do caneco histórico, o Athletico garante também um reforço importante para seu caixa. É que a Conmebol pagará mais US$ 4 milhões (cerca de R$ 22 milhões na cotação de hoje) ao clube como premiação pelo título conquistado hoje. Ao todo, o clube paranaense arrecadou US$ 6,8 milhões em premiações (aproximadamente R$ 38 milhões) na Sul-Americana.

ESCALAÇÕES

O Athletico entrou em campo sem novidades na escalação, com Erick mantido no onze inicial (disputava posição com Christian) e Renato Kayzer também confirmado após sentir uma dor muscular no treino. Com isso, o Furacão jogou no seu já tradicional esquema 3-4-3, que deriva para um 5-2-3 quando o time não tem a bola.

Já no Red Bull Bragantino, Mauricio Barbieri teve de lidar com as ausências de Lucas Evangelista e Ramires. Os dois meio-campistas estão lesionados e chegaram a fazer ratamento intensivo no departamento médico para ter condições de jogo, mas não conseguiram se recuperar a tempo, o que abriu espaço para a entrada de Helinho como organizador do time, com Praxedes jogando um pouco mais recuado.

PRIMEIRO TEMPO

Com uma escalação bastante ofensiva no papel, o Bragantino procurou se impor desde os primeiros instantes de partida, pressionando alto e ficando mais tempo com a posse de bola. O Athletico, por sua vez, permaneceu mais em seu próprio campo nos primeiros instantes, mas aos poucos foi encaixando sua marcação e também encontrando espaços no campo de ataque, com um estilo de jogo mais objetivo, mais incisivo que o do adversário.

A primeira boa chance de gol foi do Massa Bruta, num chute perigoso de Cuello de fora da área que passou rente à trave, aos 19 minutos. O Furacão respondeu dois minutos depois com David Terans, que botou o goleiro Cleiton para trabalhar.

O gol do Athletico que inaugurou o placar acabou saindo aos 28, após uma bola invertida de Marcinho que contou com uma falha da zaga para chegar em Terans. O uruguaio chutou e obrigou uma grande defesa do goleiro Cleiton, mas no rebote Nikão se posicionou bem dentro da área e acertou um lindo voleio, que ainda tocou caprichosamente na trave antes de balançar a rede: 1 a 0.

SEGUNDO TEMPO

Em vantagem, o Athletico passou a jogar no 5-4-1 sem a bola, marcando ainda mais forte em seu próprio campo e entregando a bola ao Bragantino, que trocava muitos passes em seu próprio campo, mas pouco criava de efetivo no ataque e, para piorar, ainda deixava buracos em sua própria defesa quando perdia a bola, espaços que o Furacão conseguia aproveitar na hora contra-atacar, tanto que quase chegou ao segundo gol aos seis minutos, com Léo Cittadini.

As primeiras substituições no Furacão vieram aos 29 minutos, quando Alberto Valentim apostou em alterações para reforçar a marcação rubro-negra, com as entradas do zagueiro Zé Ivaldo, do meio-campista Christian e do atacante Pedro Rocha nos lugares de Nico Hernández, David Terans e Renato Kayzer, respectivamente. Aos 36 foi a vez de Canesin substituir Erick e já nos acréscimo Nicolas entrou no lugar de Cittadini.

No Bragantino, a primeira mexida de Barbieri veio aos 31, com Luan Cândido substituindo Edimar (um lateral-esquerdo por outro, basicamente). Cinco minutos depois, os atacantes Alerrando e Gabriel Novaes entraram nos lugares dos meias Praxedes e Cuello e, aos 42, Leandrinho e Hurtado substituíram Artur e Ytalo.

O time paulista ainda teve uma grande chance para empatar a partida nos minutos finais, em cabeceio de Leandrinho, mas a bola foi para fora.

NÚMEROS DO JOGO

Conforme dados do Sofascore, o Athletico somou 37% da posse de bola (contra 63% do Bragantino) e trocou, ao longo de todo o jogo, 220 passes (contra 420 do adversário). O Furacão também finalizou 10 vezes a gol, menos que o adversário (13). Por outro lado, os paranaenses finalizaram mais vezes no alvo (4 contra 2), além, é claro, de terem colocado uma bola no fundo da rede, efetivamente. O destaque principal da equipe, no entanto, foi defensivo: 19 desarmes, sete interceptações e 31 rebatidas, enquanto o Bragantino somou sete desarmes, seis interceptações e 15 rebatidas.

FICHA TÉCNICA
ATHLETICO 1 x 0 BRAGANTINO

Athletico: Santos; Pedro Henrique, Thiago Heleno e Nicolás Hernández (Zé Ivaldo); Marcinho, Erick (Fernando Canesin), Léo Cittadini (Nicolas) e Abner; Nikão, Renato Kayzer (Pedro Rocha) e David Terans (Christian). Técnico: Alberto Valentim
Bragantino: Cleiton; Aderlan, Fabrício Bruno, Léo Ortiz e Edimar (Luan Cândido); Jadsom, Praxedes (Gabriel Novaes) e Helinho; Artur (Leandrinho), Ytalo (Hurtado) e Cuello (Alerrandro). Técnico: Maurício Barbieri
Gols: Nikão (28-1º)
Cartões amarelos: Fabrício Bruno, Aderlan (B), Léo Cittadini, Abner Vinícius, Erick (A)
Árbitro: Andrés Matonte (Uruguai)
Local: Estádio Centenário, em Montevidéu (Uruguai), sábado (20 de novembro), às 17 horas

PRINCIPAIS LANCES

Primeiro tempo

17 – Terans disputa a bola no corpo com a defesa, vence e arrisca um chute cruzado. Cleiton segura.

18 - Cobrança de escanteio fechada de Cuello. A bola ia direto para o gol, mas o goleiro Santos espalma para evitar um tento olímpico.

19 - Mais uma cobrança de escanteio fechada. Santos espalma e a bola volta para Cuello, que carrega a bola da lateral para o meio até chutar colocado, rente à trave.

21 - David Terans recebe na intermediária, com liberdade, e chuta forte, no canto. O goleiro Cleiton se estica, espalma e a bola sai em escanteio.

28 - Gol do Athletico! Bola invertida da direita para a esquerda, Aderlan fura e a bola sobra para David Terans dentro da área. Ele bate cruzado e Cleiton espalma, mas no rebote Nikão se posiciona bem e acerta um lindo voleio de dentro da área para colocar a bola no fundo da rede.

39 – Helinho aparece pela esquerda e cruza na medida para Ytalo, que aparece bem posicionado dentro da área e sobe com liberdade para cabecear. A bola vai nas mãos de Santos.

41 - Helinho recebe na intermediária, com liberdade, ajeita o corpo e chuta de longe, com força. A bola vai em cima de Santos, que segura.

Segundo tempo

6 - Bragantino erra na saída de bola e cede o contra-ataque para o Athletico. Nikão cruza da direita para Terans dentro da área, que ajeita de peito para Cittadini chegar batendo. A bola passa ao lado.

20 - Cruzamento rasteiro de Edimar. Praxedes faz o pivô e rola para Artur chutar colocado. Uma bola muito perigosa que passa ao lado do gol.

41 - Cobrança de escanteio fechada. A bola viaja até a primeira trave e encontra a cabeça de Léo Ortiz, que cabeceia por cima do gol.

48 - Cobrança de escanteio. A bola chega em Leandrinho, que aparece livre na área e cabeceia para fora.