Para conter a escalada da Covid

Com ‘nova pandemia’, Curitiba pede maior distanciamento para deter a Ômicron

Circulação de pessoas preocupa Prefeitura, que pede que empresas retomem o tabalho remoto
Circulação de pessoas preocupa Prefeitura, que pede que empresas retomem o tabalho remoto (Foto: Valquir Aureliano)

Em bandeira amarela, Curitiba prorrogou, nesta quinta-feira (20), as regras atualmente vigentes por mais sete dias e recomenda a priorização do trabalho remoto ou virtual como medida para reduzir o risco de contaminação por Covid-19 ou Influenza (H3N2) no ambiente profissional.

Com a prorrogação das medidas segue valendo a regra de limitação de público, em que a ocupação não deve ultrapassar 70% da capacidade prevista no Certificado de Licenciamento do Corpo de Bombeiros.

“Estamos vivendo uma nova pandemia, ela tem um perfil diferente dos outros anos, os casos têm se alastrado de forma muito mais rápida, embora a grande maioria das pessoas venha apresentando sintomas leves, é necessário reverter esse cenário de crescimento”, explica o diretor da epidemiologia da Secretaria Municipal de Sapude de Curitiba, Alcides Oliveira, em relação à variante Ômicron.

Ainda segundo Oliveira, embora o número de internamentos não esteja crescendo na mesma proporção que o número de casos, devido a alta cobertura vacinal da população, o cenário de aumento deve ser avaliado com cautela pelas autoridades de saúde e é necessário a adoção de regras para contenção.

Comunicado obrigatório

Também foi publicado ontem o Decreto Municipal 61/2022, que estabelece regras para a emissão de “Comunicado de Isolamento Domiciliar” por laboratórios clínicos, farmácias e drogarias e também define normas para o cumprimento do período de isolamento.

A partir da publicação, os laboratórios clínicos, farmácias e drogarias que realizam testagem para Covid-19 e influenza ficam obrigadas a emitir o Comunicado de Isolamento Domiciliar para pessoas detectáveis para as doenças, conforme modelo fornecido pela SMS.

Pessoas jurídicas devem acatar os termos de isolamento e afastar do ambiente de trabalho os funcionários próprios ou terceirizados, estagiários, sócios, fornecedores, colaboradores, voluntários, prestadores de serviços ou de outros vínculos que estejam com determinação de medida de isolamento domiciliar, até o final do prazo definido.

O documento também reforça a obrigatoriedade do cumprimento da determinação da medida de isolamento domiciliar por pessoas físicas, conforme legislação vigente. O objetivo do novo decreto é controlar a circulação e propagação dos vírus respiratórios da Covid-19 e da Influenza.

Considerando a introdução da variante Ômicron que tem mostrado maior potencial de transmissão, a principal medida de reverter o cenário de crescimento de novos casos é o isolamento das pessoas sintomáticas. “O isolamento é o que vai frear esse crescimento, precisamos que cada um faça sua parte, no primeiro sintoma se isole, não transmita o vírus”, orienta Alcides.

Predomínio de variante passa de 85% no Paraná, diz relatório da Fiocruz

De 190 amostras analisadas pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) Paraná, 85,3% foram positivas para a variante Ômicron. Os dados foram recebidos pela Secretaria de Estado da Saúde na noite da quarta-feira.

O Relatório de circulação de linhagens do vírus Sars-CoV-2, responsável pela Covid-19, do Instituto Carlos Chagas, já havia confirmado a predominância da variante no sequenciamento genômico de sábado.

Agora, dentro do número de amostragens, 162 casos positivaram para a Ômicron e 28 para Delta (14,7%), que era a variante predominante no Estado até o ano passado. A análise considera testes coletados entre 3 e 9 de janeiro deste ano, nas quatro macrorregiões em parceria com o Instituto de Biologia Molecular do Paraná (IBMP).

“A presença e a circulação acelerada da Ômicron no Paraná é algo que já estávamos esperando desde a confirmação da variante no Brasil. Nossa média móvel de casos em janeiro é muito maior do que a de dezembro, isso mostra claramente a predominância da Ômicron, ultrapassando a Delta no Estado”, afirmou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

A cepa é considerada como “variante de preocupação” – VOC pela Organização Mundial da Saúde. A VOC tem evidência de induzir casos mais graves e aumentar a transmissibilidade da doença.

“Precisamos que a população se conscientize e continue utilizando máscaras, lavando as mãos, usando álcool em gel e deixando a vacinação contra a Covid-19 em dia, seja com a primeira dose nas crianças, segunda dose em adultos e adolescentes e dose de reforço”, disse o secretário.

A Sesa havia confirmado oito novos casos da variante nesta quarta-feira (19) após o Relatório de Sequenciamento Genômico da Fiocruz Rio de Janeiro, somando 100 casos da variante. Com o nosso sequenciamento da Fiocruz Paraná, o Estado passa a ter 262 confirmações da Ômicron, sem óbitos registrados.

Os casos identificados serão inseridos no monitoramento oficial do Estado nos próximos dias, após investigação epidemiológica para identificação do perfil, município de residência e evolução dos infectados.

Secretaria de Saúde do Paraná vai verificar dados sobre vacinação ‘errada’ de crianças no Estado

A Secretaria de Estado da Saúde e o Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Paraná (Cosems) reafirmam a importância da campanha de vacinação dos paranaenses contra a Covid-19. Sobre a informação de que crianças e adolescentes foram imunizados em desacordo com a vacina autorizada pela Anvisa, a Sesa e o Cosems entendem a necessidade de uma verificação mais apurada e sóbria acerca dos dados no sistema do Ministério da Saúde, que sofreu instabilidade nas últimas semanas, o que pode impactar a informação, assim como possíveis erros na alimentação de dados. Tal medida já está sendo analisada pelas equipes técnicas.

O Estado do Paraná tem expertise comprovada e eficiência histórica na vacinação, fruto de um trabalho comprometido de vacinadoras e vacinadores nos 399 municípios ao longo dos anos. Da mesma forma, a Sesa também vai responder aos questionamentos do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a demanda da Advocacia Geral da União (AGU) nas ADPFs 754 e 756, dentro do prazo previsto.

Boletins Covid-19

Dia 20/01

Curitiba
Novos casos 2.454
Mortes 2
Total
Casos 330.134
Mortes 7.837

Paraná
Novos casos 25.852
Mortes 13
Total
Casos 1.758.767
Mortes 40.730

Brasil (Conass)
Novos casos 168.495
Mortes 350
Total
Casos 23.585.243
Mortes 622.205