Publicidade
Brasileirão

Com pênalti polêmico, Atlético perde para o Santos e aumenta jejuns

Lance do primeiro tempo de Atl\u00e9tico e Santos
Lance do primeiro tempo de Atl\u00e9tico e Santos (Foto: Divulgação/Ivan Storti/Santos FC)

O Atlético Paranaense perdeu por 1 a 0 para o Santos, nesse domingo (dia 30) à tarde, na Vila Belmiro, pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro. Com o resultado, o time paranaense ficou em 11º lugar, com 33 pontos. A equipe paulista está na 8ª colocação, com 36 pontos. Clique aqui para ver a classificação no site Srgoool.

O gol da vitória do Santos só ocorreu aos 51 minutos do 2º tempo. Aos 46 do 2º, o árbitro marcou pênalti de Rony em Dodô. A imagem da TV dá a impressão que não houve falta, que o jogador do Santos trombou no ponta do Atlético. O técnico do time paranaense, Tiago Nunes, ficou enfurecido. Os jogadores do Furacão também ficaram revoltados e cercaram o árbitro no momento da marcação e após o apito final.

“Prejudicaram a gente mais uma vez, no final do jogo, um confronto direto”, lamentou Nikão, em entrevista para o Sportv. 

“Eu dei o corpo. Ele trombou em mim. Eu sofri a falta”, disse o ponta Rony. 

ARBITRAGEM
O Santos pediu pênalti aos 6 minutos do 2º tempo. Dodô caiu na área ao dividir com Nikão. A imagem da TV mostra o contato físico, mas não deixa claro se houve falta. Lance polêmico. Aos 18 do 2º, foi a vez de Cirino pedir pênalti, após cair na dividida com Gustavo Henrique.  

JEJUNS
O resultado ampliou dois jejuns do Atlético. O time ainda não venceu fora de casa no Brasileirão 2018. Foram 14 partidas como visitante, com cinco empates e nove derrotas, com apenas quatro gols marcados. É a terceira pior campanha como visitante da competição. 

Outro jejum é que o Atlético não vence fora de casa o Santos desde 2005. Desde aquele confronto, que foi pela Copa Libertadores, os clubes se enfrentaram mais 13 vezes com mando santista. E foram 13 derrotas. Em toda história do Brasileirão, o Furacão nunca venceu fora de casa o Santos. Foram 22 jogos, 18 derrotas e quatro empates. 

DESEMPENHO
Em relação ao desempenho, o Atlético não repetiu as boas atuações demonstradas na Arena da Baixada. O sistema defensivo funcionou bem e anulou as principais jogadas do adversário. No entanto, o time sofreu com a forte pressão do Santos e a saída de bola não funcionou. Com isso, o desempenho ofensivo dependeu de bolas longas e alguns raros contra-ataques.

TÉCNICO
O técnico Tiago Nunes soma agora dez vitórias, quatro empates e cinco derrotas no comando do time principal do Atlético. 

ESCALAÇÃO DO ATLÉTICO
No Atlético, Jonathan e Pablo foram preservados, com dores musculares. Com isso, Diego Ferreira e Marcinho viraram titulares. Os zagueiros Paulo André e Léo Pereira e o volante Lucho González voltaram ao time. Com isso, retornaram ao banco Zé Ivaldo, Thiago Heleno e Bruno Guimarães. O esquema tático foi o 4-2-3-1 de sempre. A linha de três tinha Nikão (esquerda), Veiga (centro) e Marcinho (direita). O ponta Cirino atuou improvisado como centroavante.

ESCALAÇÃO DO SANTOS
No Santos, as baixas eram Lucas Veríssimo e Felippe Cardoso, lesionados, além de Gabigol, suspenso. O esquema tático também era o 4-2-3-1, com Sasha como centroavante. 

PRIMEIRO TEMPO
O Santos adotou postura ofensiva desde o início e marcou com forte pressão avançada. O Atlético teve dificuldades para sair jogando e acabou errando demais. Quando conseguiu furar esse bloqueio santista, o Furacão criou três boas jogadas ofensivas. As duas melhores foram chutes de fora da área de Nikão. Já a equipe paulista incomodou com quatro bons ataques pelas pontas. 

SEGUNDO TEMPO
O jogo recomeçou na segunda etapa com o mesmo cenário. O Santos era ofensivo e pressionava com intensidade. O Atlético aplicou alguns contra-ataques. Aos 10 do 2º, saiu Lucho e entrou Bruno Guimarães. O time não reagiu. Aos 23, saiu Marcinho e entrou Rony. O jogo seguiu no mesmo ritmo. No total do segundo tempo, foram quatro boas jogadas ofensivas de cada equipe. Nos minutos finais, aos 42, o lateral Márcio Azevedo entrou improvisado como extremo, no lugar de Nikão. O esquema seguiu o mesmo. O jogo só foi definido com o pênalti polêmico aos 46 minutos. A cobrança só foi executada aos 51. 

ESTATÍSTICAS
Em 90 minutos, o Atlético somou 9 finalizações (4 certas), 39% de posse de bola, 77% de eficiência nos passes e 4 escanteios. O Santos arrematou 13 vezes (5 certas) e teve 61% de posse de bola, 89% de eficiência nos passes e 11 escanteios. Os dados são do Whoscored. 

SANTOS 1 x 0 ATLÉTICO
Santos: Vanderlei; Victor Ferraz, Robson Bambu (Luiz Felipe), Gustavo Henrique e Dodô; Alison e Pituca; Rodrygo, Carlos Sánchez e Bruno Henrique (Kaio); Eduardo Sasha (Derlis González). Técnico: Cuca
Atlético: Santos; Diego Ferreira, Paulo André, Léo Pereira e Renan Lodi; Wellington e Lucho González (Bruno Guimarães); Nikão (Márcio Azevedo), Raphael Veiga e Marcinho (Rony); Marcelo Cirino. Técnico: Tiago Nunes
Gol: Carlos Sánchez (51-2º)
Cartões amarelos: Paulo André, Lucho, Léo Pereira, Márcio Azevedo (A). Gustavo Henrique (S)
Árbitro: Caio Max Augusto Vieira (RN)
Público: 7.802 pagantes
Local: Vila Belmiro, em Santos (SP)

PRINCIPAIS LANCES
Primeiro tempo

1 – Contra-ataque. Welington aciona Nikão, que solta a bomba de fora da área. Vanderlei espalma.
5 – Boa troca de passes do Santos. A bola chega até Dodô, na ponta esquerda. Ele chuta e Diego tira.
23 – Boa troca de passes. Lucho toca e encontra Cirino livre na área. Ele gira, mas a bola escapa.
34 – Victor Ferraz cruza. Sasha cabeceia ao lado do gol.
36 – Rodrygo invade a área e chuta cruzado. Santos espalma.
43 – Nikão chuta de fora da área. Vanderlei espalma no ângulo.
46 – Marcinho cruza rasteiro. Cirino quase alcança na segunda trave.

Segundo tempo
6 – Dodô recebe na área e cai ao dividir com Nikão. Lance polêmico.
7 – Falta. Nikão solta a bomba. Vanderlei rebate. Lucho pega o rebote e marca o gol. O árbitro anula por impedimento.
12 – Victor Ferraz cruza. Bruno Henrique mergulha e quase alcança.
13 – Carlos Sánchez invade a área e chuta forte. Santos espalma.
14 – Marcinho lança. Veiga recebe na área e é desarmado ao armar o chute.
17 – Contra-ataque. Nikão lança Marcinho, que parte livre na ponta. Ele chuta para longe, de fora da área. 
36 – Diego Ferreira cruza da direita. Cirino sobe e cabeceia ao lado do gol.
40 – Contra-ataque. Nikão recebe na área, dribla o zagueiro e chuta. A bola amortece na zaga e Vanderlei segura.
46 – Dodô tromba com Rony na área, cai e o árbitro dá pênalti. 
51 – Gol do Santos. Carlos Sánchez cobra forte e marca.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES