Campanha

Com vacinação, Ministério quer criar barreira sanitária contra sarampo e pólio

"Campanha come\u00e7ou ontem: postos vacinam at\u00e9 o dia 31"
"Campanha come\u00e7ou ontem: postos vacinam at\u00e9 o dia 31" (Foto: Franklin de Freitas)

Começou ontem a campanha nacional de vacinação contra o sarampo e a poliomielite. Diferente de outras edições, a campanha deste ano ganhou importância maior, por causa de surtos das doenças em países próximos ao Brasil e da baixa cobertura vacinal de outras doenças.
O Dia D da vacinação está agendado para 18 de agosto, que cairá em um sábado, quando a vacinação será realizada em todos os postos de saúde do País. A campanha se estenderá até o dia 31 de agosto. A meta do Ministério da Saúde é vacinar, pelo menos, 95% das 11,2 milhões de crianças dessa faixa etária e diminuir a possibilidade de retorno da pólio e reemergência do sarampo, doenças já eliminadas no Brasil.
Para o Ministério da Saúde, a cobertura vacinal elevada é necessária para manter essas doenças longe do Brasil. A coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, Carla Domingues, ressaltou a importância da campanha. “Vacinando desta forma criamos uma barreira sanitária, uma imunidade de grupo. Rapidamente teremos a oportunidade de garantir que, mesmo que os vírus da pólio e do sarampo entrem no País, não encontrem uma fonte de infecção”, explicou.
Apesar de a campanha ter como foco crianças entre 1 a 4 anos e 11 meses, adultos que não estiverem com a caderneta de vacinação em dia também devem se vacinar. Conforme previsto no Calendário Nacional de Vacinação, adultos com até 29 anos que não tiverem completado o esquema na infância devem receber duas doses da Tríplice Viral e adultos com idade entre 30 e 49 anos devem receber uma dose da Tríplice Viral.