Ocorrências

Começo do ano tem alta de 15% nos afogamentos no Paraná

Com calor elevado, cavas são procuradas, mas há riscos
Com calor elevado, cavas são procuradas, mas há riscos (Foto: Valquir Aureliano)

Os primeiros dias de 2022 estão sendo de muito calor no Paraná e também de muito trabalho para o Corpo de Bombeiros. Com o registro de tempo abafado e temperaturas elevadas em todo o estado, muitas pessoas têm procurado refresco em praias e outras fontes de água, como rio, piscinas e cavas. Uma forma de diversão sadia, mas que também exige medidas de educação pública para reduzir o virtual risco da ocorrência de afogamentos e traumas nestes ambientes.

Segundo o Sistema de Registro de Ocorrências e Estatísticas do Corpo de Bombeiros (SysBM), nos primeiros 24 dias de 2022 a corporação já atendeu 290 ocorrências de afogamento em todo o estado, com o registro de nove falecimentos. No ano passado, nesse mesmo período, os bombeiros haviam atendido 252 situações assim, com 19 óbitos.

Chama a atenção, ainda, o aumento no registro de casos graves nos últimos sete dias, período no qual foram registrados 81 incidentes com pessoa em meio líquido e quatro falecimentos no estado.

Somente no último final de semana foram pelo menos sete ocorrências graves, com o registro de três falecimentos em situações ocorridas em Cascavel (no oeste do Paraná), Balsa Nova (Região Metropolitana de Curitiba) e Querência do Norte (no noroeste do estado).

A primeira vítima foi um adolescente de 14 anos, que caiu no domingo em um açude de aproximadamente 10 metros de profundidade. A segunda, também no domingo, é um rapaz que havia entrado em uma cava. E a terceira um homem de 60 anos que se afogou junto do filho, de 35, no Rio Paraná, no sábado.