Publicidade
Efeito da pandemia

Comércio de Curitiba terá queda nas vendas, demissões e empresas fechadas com o coronavírus, diz pesquisa

(Foto: Franklin de Freitas)

O comerciante curitibano acredita que o impacto do coronavírus em seus negócios será quase apocalíptico, com queda nas vendas, demissões de funcionários e empresas forçadas a fechar. É o que aponta uma pesquisa de opinão do Datacenso feita para a Associação Comercial do Paraná (ACP), divulgada nesta terça-feira (31)

Dentre os pontos questionados estavam qual o impacto sobre o negócio; tempo que pode prejudicar os negócios; perspectivas de continuidade do negócio; probabilidade de redução de quadro de funcionários; e opinião sobre o isolamento social. No geral, o comerciante da Capital parece estar pessimista com o futuro da economia para o resto do ano. mais de 80% acha que a pandemia vai impactar negativamente nos negócios, e a maioria também acha que a situação de emergência deve seguir por mais seis meses.

A queda nas vendas por causa do coronavírus foi algo apontado por quase 80% dos comerciantes. Ao todo, 79% deles acreditam que o volume será reduzido, enquanto 20% não sabem e 1% acham que as vendas não serão afetadas. Um possível fechamento da empresa também foi abordado na pesquisa ACP/Datacenso. Um em cada 10 pretende fechar; 7% pretendem fazer uma pausa temporária e 36% não sabem o que farão. E 47% deles pretendem continuar.

As demissões estão na mira de 42% dos entrevistados, que afirmam que pretendem reduzir o quadro de funcionários; 38% pretendem manter o mesmo número de funcionários e 20% não sabem o que vão fazer ainda. Sobre uma solução alternativa para o quadro de funcionários, 23% pretendem antecipar férias individuais; 17% pretendem reduzir a carga horária; 16% pretendem negociar redução de salários; 14% pesam em organizar férias coletivas 14%. Apenas 9% não vão mudar nada.

O isolamento social, orientado pelas autoridades médicas em todo o mundo, é motivo de contrariedade entre os comerciantes de Curitiba. 57% são contra o fechamento de serviços não essenciais, mas 41% são a favor; 9% não sabem dizer e 3% estão indiferentes ao isolamento social. Os comerciantes de Curitiba esperam que o governo tome alguma atitude para ajudá-los. 24% acham que deve ser reduzida a carga tributária ou os impostos; 20% acham que deve ser oferecido empréstimos com juro zero pelo BNDES e 16% pedem que haja uma redução da taxa de juros de todos os empréstimos.

A pesquisa da ACP/Datacenso entrevistou 200 comerciantes de Curitiba entre os dias 26 e 29 de março e o grau de confiança é de 95%. A maior parte é de micro e pequenos empresários (95%), sendo 78% de comerciantes dos bairros e 22% de comerciantes do centro da cidade.

Dívidas

A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), divulgada nesta terça-feira pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), mostrou que o total de famílias com dívidas no Brasil voltou a crescer em março, depois de um recuo em fevereiro (65,1%), atingindo 66,2%, maior taxa da série histórica iniciada em janeiro de 2010. O recorde havia sido registrado em dezembro do ano passado (65,2%). A pesquisa foi feita com 18 mil famílias de todas as capitais do país.

O que pensam os comerciantes da Capital

Impacto do coronavírus em seus negócios
Alto 83%
Médio 10%
Baixo 5%
Nenhum 2%

Perspectiva de queda nas vendas
Vai reduzir 79%
Não sabem 20%
Não serão afetadas 1%

Comerciante pensa em continuar com seu negócio
Sim 47%
Não 10%
Pausa temporária 7%
Não sabem 36%

Sobre a possibilidade de reduzir o quadro de funcionários
Sim 42%
Não 38%
Não sabem 20%

Sobre a administração do quadro de funcionários
Pretendem antecipar férias individuais 23%
Pretendem reduzir a carga horária 17%
Pretendem negociar redução de salários 16%
Pretendem organziar férias coletivas 14%
Não vão mudar nada 9%

Com relação ao tempo em que o negócio poderá ser prejudicado
Mais de seis meses 54%
De 4 a 6 meses 32%
De 1 a 3 meses 13%
Não vai prejudicar 1%

Como enfrentam a crise (quem se manteve ativo)
vendas pelo whatsapp 52%
Por telefone 33%
E-commerce 21%
Aplicativo da loja 9%

Fechamento de serviços e atividades não essenciais
Contrários 57%
A favor 41%
Não sabem 9%
Indiferentes 3%

Como os governos devem ajudar
Devem reduzir a carga tributária 24%
Deve ser oferecido empréstimos com juro zero 20%
Reduçao de taxa de juros de empréstimos 16%

Número de mortes por coronavírus sobe 26% em 24 horas

O número de mortes em razão do novo coronavírus chegou a 201, nesta terça-feira (31), conforme nova atualização divulgada pelo Ministério da Saúde. O resultado marca um aumento de 26% em relação a segunda, quando foram registrados 159 óbitos no País. O número de novas mortes, 42, foi o maior da série histórica. O maior quantitativo de óbitos em um dia até então tinha sido o dia anterior.

As mortes ocorreram em São Paulo (136), Rio de Janeiro (23), Ceará (sete), Pernambuco (seis), Piauí (quatro), Rio Grande do Sul (quatro), Paraná (três), Amazonas (três), Distrito Federal (três), Minas Gerais (duas), Bahia (duas), Santa Catarina (duas), Alagoas (uma), Maranhão (uma), Goiás (uma), Rondônia (uma) e Rio Grande do Norte (uma).

Já os casos confirmados saíram de 4.579 para 5.717. O resultado de novas 1.138 pessoas infectadas em um dia foi mais que o dobro do maior registrado até agora, de 502 novos casos no dia 27 de março.

O índice de letalidade, que estava abaixo de 2% no final de semana, ficou em 3,5% no balanço de ontem. As hospitalizações saíram de 757, na segunda, para 1.075, nesta terça.

Curitiba
Curitiba tinha 90 casos confirmados do novo coronavírus em moradores da cidade, até esta terça-feira. Onze eram novos: seis homens e cinco mulheres, com idades entre 28 e 69 anos. Os números foram divulgados ontem pela Secretaria Municipal da Saúde (SMS). Há 209 casos suspeitos e outros 553 casos foram descartados. Dos 90 casos confirmados, 42 foram liberados do isolamento.

Desde o primeiro caso confirmado na cidade, no início de março, 26 pessoas necessitaram de atendimento hospitalar. Quinze continuam internadas - sete em estado grave, com necessidade de suporte ventilatório (respirador). Dos sete internados em estado grave, seis são do sexo masculino e um do sexo feminino, com idades de 49 a 64 anos.

Estado
Dados do boletim do coronavírus emitido pela Secretaria de Estado da Saúde nesta terça-feira confirmavam 25 novos casos da doença no Paraná. Eram 14 mulheres e 11 homens com idades entre 28 e 72 anos, que tiveram resultado positivo para Covid-19.

O Estado somava 185 casos confirmados e, destes, três óbitos. Foram descartados 2.960 casos e há 521 em investigação.

Os pacientes dos novos casos residem em Curitiba (10), Cascavel (2), Lapa (1), Vere (1), Quatro Barras (1), Telêmaco Borba (1), Campo Mourão (1), Maringá (1), Pinhais (1), São José dos Pinhais (2), Londrina (2), Francisco Beltrão (1) e Niterói (1) - fora do Estado.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES