Publicidade
Mercado da bola

Coritiba acertou em quase metade das contratações que fez para 2019. Confira o levantamento

O ponta Rafinha: mesmo aos 36 anos, ainda é uma peça decisiva para o Coritiba e foi um dos acertos de 2019
O ponta Rafinha: mesmo aos 36 anos, ainda é uma peça decisiva para o Coritiba e foi um dos acertos de 2019 (Foto: Valquir Aureliano)

Detentor da maior folha salarial da Série B de 2019 – no valor de R$ 1,5 milhão -, o Coritiba foi bastante assertivo nas contratações em que fez ao longo da caminhada na temporada, que terminou com o retorno do clube à primeira divisão do Campeonato Brasileiro. Com 23 contratações feitas ao longo de todo o ano, o clube conseguiu ter um bom retorno técnico com onze dos nomes, conforme levantamento feito pelo Bem Paraná.

Isso significa que, mesmo com menos contratações (embora contratações mais caras), o clube conseguiu acertar quase a mesma quantidade de bons reforços que o Paraná Clube. Em 2019, o Tricolor trouxe 35 novos nomes para seu elenco, mas apenas 12 deram o retorno esperado dentro de campo.

Na lista dos nomes que deram certo, temos praticamente o time titular na campanha na última Série B: o goleiro Alex Muralha, os zagueiros Sabino e Nathan Ribeiro, o lateral-direito Diogo Mateus, os volantes Serginho e Matheus Sales, os meias Giovanni e Juan Alano, os pontas Rafinha e Róbson e o centroavante Rodrigão.

De todos esses nomes, apenas Rodrigão, artilheiro do time na Série B com 13 gols, não esteve em campo na partida contra o Vitória, no Barradão, quando o Coxa venceu por 2 a 1, de virada, e garantiu o retorno à elite do futebol brasileiro. É que por conta de um desentendimento com o técnico Jorginho (não teria aceitado perder a condição de titular na equipe) o jogador acabou devolvido ao Santos, detentor dos direitos federativos. Ainda assim, foram 21 gols em 42 jogos ao longo de toda a temporada, tendo atuado em 30 das 38 partidas do clube na Segunda Divisão.

Sabino, que chegou como uma aposta vinda do Santos, um nome para compor elenco, foi titular em 30 partidas e ainda marcou quatro gols. O meia Juan Alano, moeda de troca na ida de Guilherme Parede para o Internacional, fez 33 jogos, marcou cinco gols e deu cinco assistências. Giovanni também deu cinco assistências (em 30 jogos), mas marcou apenas dois gols. Um deles, porém, foi decisivo: contra o Bragantino, na penúltima rodada, quando a equipe via sua colocação no G4 ficar bastante ameaçada.

No começo da Série B, ainda vieram o lateral-direito Diogo Mateus e o volante Matheus Sales, ambos oriundos do futebol paulista (Ferroviária e Palmeiras, respectivamente). O primeiro fez 29 partidas (quatro como titula) e deu quatro assistências, enquanto o segundo fez 30 jogos (28 como titular) ao longo da Segundona.

Três das contratações mais decisivas, porém, vieram já com a Série B em andamento. O primeiro deles foi o meia-atacante Róbson, contratado no começo de julho e que ainda assim foi vice-artilheiro do Coxa na Série B, com oito gols em 21 partidas. O zagueiro Nathan Ribeiro chegou apenas em outubro e estreou só um mês depois, mas na sequência não saiu mais do time titular, com sete partidas pelo clube, resolvendo uma das principais deficiências do time ao longo da competição. Já volante Serginho chegou no final de setembro, mas também logo virou titular e somou 11 partidas pelo clube.

Símbolos

O goleiro Alex Muralha e o meia-atacante Rafinha merecem destaque à parte.

O primeiro chegou ao clube em meados de março, sob muita desconfiança após um terrível ano de 2017 no Flamengo e um empréstimo ao Albirex Niigata, da segunda divisão do Japão, em 2018. Acabou desbancando o ídolo da torcida, Wilson, que acabou até negociado com o Atlético-MG. Na Série B, foram 28 partidas disputadas, com média de 0,8 gols sofridos por partida e 2,3 defesas por jogo.

Já Rafinha retornou ao Coritiba no começo de maio, atendendo, segundo ele próprio conta, um pedido do filho, Tomás, que é torcedor do clube e queria ver o pai ajudando o Coxa a retornar para a elite do futebol brasileiro. Aos 36 anos e longe do auge físico, ainda assim foi peça importante, com 22 partidas, dois gols marcados e três assistências. Perdeu alguns jogos por conta de lesões, e em outros tantos confrontos participou mesmo no sacrifício, sem condição ideal de jogo.

Não vingaram

Dentre os jogadores que não vingaram no clube em 2019, aqueles que podem ser considerados os erros mais crassos são o volante Elyeser, o meia-atacante chileno Francisco Arancibia e o ponta Welinton Júnior. Os dois primeiros quase nem jogaram pelo clube do Alto da Glória e foram dispensados meses após serem contratados. O terceiro até teve mais oportunidades no time, mas chamou a atenção da torcida pelos gols perdidos e rescindiu o contrato em julho, após 11 jogos disputados.

Outros nomes, como os laterais Felipe Mattioni e Fabiano, os pontas Kelvin, Welissol e o atacante Lucas Tocantins, não conseguiram corresponder quando acionados. Já o lateral Sávio até teve um início de ano promissor, mas depois despencou de produção. Na Série B, foram apenas 12 partidas, oito delas como titular.

Por fim, o volante João Vítor até teve bom desempenho com a camisa do clube e, enquanto permaneceu no Alto da Glória, foi titular. Em julho, porém, optou por rescindir com o clube paranaense para jogar a Primeira Divisão com a camisa do CSA. Enquanto o Coxa garantiu o acesso, os alagoanos foram rebaixados para a Série B.

Os 23 reforços
Contratados pelo Coritiba em 2019

Goleiros: Alex Muralha
Zagueiros: Sabino, Nathan Ribeiro
Laterais: Diogo Mateus, Sávio, Fabiano, Patrick Brey, Felipe Mattioni
Volantes: Serginho, Matheus Sales, Elyeser, João Vítor
Meias: Giovanni, Juan Alano,
Pontas: Rafinha, Róbson, Arancibia, Welinton Júnior, Kelvin, Welissol
Centroavantes: Rodrigão, Wanderley, Lucas Tocantins

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES