Brasileirão

Coritiba bate pouco, mas é o ‘lanterna vermelho’ do Brasileirão

Jorginho
Jorginho (Foto: Valquir Aureliano)

O Coritiba comete poucas faltas no Campeonato Brasileiro 2020, em comparação com os demais 19 participantes. Mesmo assim, é o lanterna no quesito cartão vermelho, empatado com Santos e Bragantino. Essas três equipes são as que mais tiveram expulsões na competição, com três cada.

No entanto, os números mostram que esses vermelhos são casos isolados. O Coritiba é apenas o 14º com mais faltas cometidas no Brasileirão, com média de 15,7. Os times que mais castigam as canelas dos adversários são o Internacional (21,3 por jogo), o Goiás (19,4) e o Palmeiras (18,9). Os mais comportados são o Botafogo (12,4 por jogo), o Bahia (12,7) e o Santos (13,9). Os dados são do site WhoScored.

Em cartões amarelos, o Coritiba também está longe dos primeiros. Recebeu 12 nas nove partidas e é o 12º com mais amarelos. O time com mais cartões dessa cor é o Sport, com 26. O menos amarelado é o Atlético-GO, com 9.

As estatísticas revelam que os cartões amarelos reduziram drasticamente no Coritiba desde a chegada de Jorginho. Foram 1,2 por jogo nas quatro partidas com o treinador (cinco em quatro rodadas) e 2,6 por jogo antes dele (13 nas cinco rodadas antes dele). O número de faltas cometidas teve uma queda sutil, de 15,8 por jogo para 15,5.

Dos três vermelhos, dois foram nas partidas com o técnico Eduardo Barroca – Renê Júnior contra o Flamengo e Yan Sasse contra o Corinthians. Na última quarta-feira, Rodolfo Filemon recebeu o vermelho por agredir o centroavante Rafael Moura, do Goiás.

A DISCIPLINA NO CORITIBA
15,5 faltas por jogo com Jorginho
15,8 faltas por jogo nos 5 jogos anteriores*
5 cartões amarelos nos 4 jogos com Jorginho (1,2 por jogo)
13 cartões amarelos nos 5 jogos anteriores* (2,6 por jogo)
*4 jogos com Barroca e 1 com Mozart

EQUILÍBRIO EMOCIONAL
Após o empate com o Goiás, na quarta-feira, Jorginho falou sobre as expulsões. “Antes de eu chegar tiveram duas expulsões. Então é algo que precisamos dar atenção muito especial nessa questão de equilíbrio emocional. Eu chamo muito a atenção dos jogadores sobre o quanto eles precisam ser leais. A reação é fundamental. Tem hora que precisa engolir sapo”, declarou. “É algo que eu preciso trabalhar é esse desequilíbrio emocional. Não podemos perder três atletas por expulsão em nove jogos”, afirmou.

Segundo o treinador, a falha de Filemon foi grave, mas ele pediu desculpas ao elenco. “Com certeza o Filemon foi infantil. Ele pediu desculpas à equipe depois do jogo, sabe que errou e isso não pode acontecer mais. Mas o que me deixa completamente desacreditado é que em nenhum momento ele (árbitro) pediu o VAR. Foi uma entrada forte, uma falta, por isso o Filemon perdeu a cabeça e não deveria fazer aquilo, mas pelo menos um amarelo deveria ter sido dado para o Rafael Moura”, comentou Jorginho.