Pandemia

Em Curitiba, Covid-19 já matou mais jovens e adultos em 2021 que em todo o ano passado

Letalidade era mais significativa entre os idoso: mudança em 2021
Letalidade era mais significativa entre os idoso: mudança em 2021 (Foto: Franklin de Freitas)

Ninguém está a salvo na pandemia do novo coronavírus. E dados do Painel Covid-19 Curitiba, alimentado pelo Centro de Epidemiologia da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), ajudam a reforçar essa sensação. Neste ano, passado pouco menos de quatro meses de 2021, mais jovens e adultos curitibanos já faleceram após contrair a doença pandêmica do que em todo o ano de 2020.

Os dados do Painel, compilados pela reportagem do Bem Paraná, mostram que até o último dia 12 um total de 242 pessoas com menos de 49 anos já haviam falecido neste ano após serem contaminadas pelo novo coronavírus. Em 2020, porém, foram 205 óbitos nessas faixas etárias, o que significa que em três meses e meio de 2021 o número de falecimentos por Covid-19 entre jovens e adultos foi 18,05% mais alto em relação aos 10 primeiros meses de pandemia, ainda em 2020.

Já o número de falecimentos entre a população com 50 anos ou mais está ainda em um patamar elevado, mas abaixo dos números verificados no ano anterior. Em 2021 foram registrados 1.640 falecimentos entre essa população, ante 2.151 óbitos no ano anterior. A boa notícia mesmo, porém, é a menor letalidade que a doença tem apresentado entre esses pacientes.

Essa tendência da doença atingir mais os jovens adultos já era verificada desde a virada de ano.

Letalidade cai entre idosos e avança em outro grupo

Para estimar a letalidade da Covid-19 por faixa etária, o Bem Paraná apelou para o Relatório de Casos de Covid-19 em Curitiba, disponível no Portal de Dados Abertos do município. As informações do relatório foram atualizadas pela última vez em 7 de abril, ou seja, estão desatualizadas em relação ao Painel do Município, cujos dados foram citados acima.

Por outro lado, o relatório oferece a vantagem de se poder verificar não só o número de óbitos num determinado intervalo de tempo, mas também o total de casos – o que é fundamental para se saber a taxa de letalidade de uma doença, calculada pelo número de óbitos e o total de pessoas acometidas por essa enfermidade.

O levantamento, que pode ser conferido em detalhes na tabela abaixo, revela que a letalidade da Covid-19 caiu entre a população mais velha de Curitiba, acima dos 50 anos de idade, mas subiu entre as populações mais jovens, abaixo dos 49 anos.

Em 2020, por exemplo, 32,33% das pessoas com 80 anos ou mais que tiveram diagnóstico positivo para o novo coronavírus acabaram falecendo - praticamente um terço dos pacientes. Em 2021, essa taxa de letalidade está em 24, o que significa que menos de um quarto dos pacientes nessa faixa etária estão vindo a óbito.

Por outro lado, foram verificados acréscimos relevantes, principalmente, na faixa entre 40 e 49 anos (com a taxa de letalidade subindo de 0,71% para 1%) e na faixa entre 30 e 39 (letalidade passando de 0,21% para 0,38%), o que indica que mais pessoas jovens estão apresentando quadros graves e vindo a falecer em decorrência das complicações causadas pela Covid-19.

Vacinação já pode estar ajudando a evitar mortes

Infectologista da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de Curitiba, Marion Burguer comenta que a redução da letalidade dos casos de Covid-19 entre pessoas idosas parece já ser um primeiro indicativo dos benefícios da vacina contra a doença.

Até ontem, 180.541 idosos já haviam tomado ao menos a primeira dose do imunizante na capital paranaense, o equivalente a 57,6% do total previsto dentro desse grupo prioritário. Apenas 46.199 (14,7%) desses indivíduos, contudo, já tomou as duas doses do fármaco.

“O que a gente vê realmente parece ser um efeito benéfico da vacina. Só temos cautela em extrapolar esses resultados para um efeito da própria vacina porque, em termos de segunda dose, agora em abril que teremos um número de pessoas vacinadas completamente, com as duas doses”, explica a especialista. “Mas temos visto que diminuiu o número de internamentos e principalmente o de óbitos. Letalidade, temos quase 10 pontos porcentuais de queda em relação ao período todo do ano de 2020”, complementa.

SAIBA

Obesidade ganha ainda mais importância como fator de risco

Ainda segundo Marion Burguer, a maior frequência de casos graves entre pessoas mais jovens pode ser um reflexo da agressividade de variantes do novo coronavírus. Nesse sentido, ela aponta que desde o início da pandemia a maior parte dos casos de Covid-19 (cerca de 75% do total) se concentra entre adultos de 20 a 59 anos de idade. Assim, se uma variante for capaz de agravar um pouco mais os casos, levando 1% a mais desses pacientes a necessitar de internação, os impactos já serão grandes.

“É um porcentual pequeno, mas que traz um impacto em números absolutos muito grande para o sistema de saúde absorver”, aponta a especialista, revelando ainda que está ocorrendo uma mudança nos fatores de risco da doença, principalmente no que diz respeito ao excesso de peso. Em 2020, por exemplo, 277 curitibanos que faleceram de Covid-19 tinha a obesidade como fator de risco. Em 2021, já são 308 pacientes que faleceram e apresentavam essa condição

“A obesidade já tem se mostrado como um fator de risco até mais importante que a doença cardiovasculas, que de forma geral, em todos os relatos, tem se mostrado como o principal fator de risco para as complicações. Então as medidas de precaução tem de ser ainda mais intensas. Estamos frente não só a um vírus mais transmissível, mas que faz estragos numa população que até ent~]ao não apresentava tantas complicações”, finaliza Burguer.

Casos e óbitos por faixa etária em Curitiba, segundo a data de divulgação do registro

Faixa etária

Casos

Óbitos

Letalidade

 

2020

2021*

2020

2021*

2020

2021

80 e mais

2.134

1.264

690

303

32,33%

23,97%

70-79

4.230

2.954

647

437

15,30%

14,79%

60-69

9.109

6.151

609

375

6,69%

6,10%

50-59

15.695

10.160

342

218

2,18%

2,15%

40-49

20.496

13.277

145

133

0,71%

1,00%

30-39

24.703

14.467

51

55

0,21%

0,38%

20-29

22.619

13.034

20

13

0,09%

0,10%

10-19

6.934

5.208

2

4

0,03%

0,08%

06-09

1.220

939

0

0

0,00%

0,00%

00-05

2.153

1.277

1

2

0,05%

0,16%

Total

109.293

68.731

2507

1540

2,29%

2,24%

* dados de 2021 até o dia 7 de abril
Fonte: Dados abertos da Prefeitura de Curitiba - Relatório de casos de Covid-19

Óbitos confirmados e principais fatores de risco

Fator de risco

2020

2021

Doença cardiovascular

1556

1106

Diabetes

856

616

Doença neurológica

297

140

Obesidade

277

308

Pneumopatias

218

117

Doença renal

164

104

Imunossuprimidos

38

27

Doença hepática

29

19

Fonte: Painel Covid-19 Curitiba, da Secretaria Municipal da Saúde (SMS)