Linha de frente

Covid pode ter matado mais de 100 mil profissionais de saúde pelo mundo; só no Paraná foram 741 óbitos

(Foto: Divulgação)

A Organização Mundial da Saúde (OMS) revelou que podem ter morrido entre 80 mil e 180 mil profissionais de saúde desde o início da pandemia, em todo o mundo. O diretor-geral da organização, Tedros Adhanom Ghebreyesus, defende que os profissionais de saúde devem ter prioridade na imunização e cita críticas ao processo desigual de acesso às vacinas.

"Dados de 119 países sugerem que, em média, dois em cada cinco profissionais de saúde e cuidadores em todo o mundo estão totalmente vacinados. Mas é claro que essa média mascara as enormes diferenças entre regiões e grupos econômicos", declarou Tedros Adhanom.

Segundo o diretor-geral da OMS, na África menos de um em cada dez profissionais de saúde foi totalmente vacinado. Diferentemente, na maioria dos países com economias fortes, mais de 80% dos profissionais de saúde estão totalmente vacinados.

"Apelamos a todos os países para garantir que todos os profissionais de saúde e cuidadores tenham prioridade na vacinação contra a covid-19, juntamente com outros grupos de risco", afirmou o diretor.

Desde que as primeiras vacinas foram aprovadas pela OMS, há mais de dez meses, milhões de profissionais de saúde ainda não foram vacinados. A "denúncia" surge, dirigida aos países e empresas que controlam o fornecimento global de doses, acrescentou.

Annette Kennedy, presidente do Conselho Internacional de Enfermeiros, lamenta as muitas mortes que ocorreram desnecessariamente. "Poderíamos ter salvado muitas vidas. É uma acusação chocante da falta de proteger os profissionais de saúde que pagaram o último sacrifício com as suas vidas", destacou Annete."Eles agora estão exaustos, devastados, física e mentalmente. E há uma previsão de que 10% desses profissionais partirão em pouco tempo", acrescentou a presidente da organização internacional de enfermeiros.

A OMS quer que cada país vacine pelo menos 40% da população até o fim deste ano. Mas o fornecimento insuficiente de vacinas poderá impedir o cumprimento da meta.

No Paraná

Dados da Secretaria da Saúde do Paraná (Sesa-PR), que constam no Informe Epidemiológico do Coronavírus divulgado ontem, mostram que 741 profissionais de saúde que atuavam no estado faleceram após contraírem a Covid-19, sendo que um total de 26.199 infecções foram confirmadas entre essas pessoas.

O grupo mais exposto e também mais atingido foi o dos enfermeiros, com 8,956 casos confirmados e 209 óbitos. Em seguida aparecem os profissionais da área farmacêutica, com 845 infecções e 114 mortes; e os médicos, com 1.930 infecções e 95 óbitos.