Violência

Crimes passionais estão virando rotina em Curitiba e região

Outrora o tipo de homicídio com menor número de registros no Paraná, os crimes passionais estão se tornando rotina nos plantões policiais em Curitiba e Região Metropolitana, pelo menos nas últimas semanas. Somente nos últimos 14 dias foram pelo menos quatro ocorrências desse tipo, todas com a mulher sendo vítima de companheiros e ex-companheiros ciumentos e/ou que não aceitavam o fim do relacionamento.

Não é de se surpreender, portanto, que o Brasil seja o sétimo país com maior incidência de assassinatos de mulheres, com média de 10 novos casos diariamente. Basta abrir o jornal que muito provavelmente o leitor irá se deparar com alguma tragédia do dia. A mais atual foi a que vitimou uma auxiliar administrativa de 34 anos, encontrada morta dentro de sua própria casa no bairro Ahú. Segundo a Polícia Militar, o principal suspeito do crime é o marido, que teria fugido do local do crime usando o carro da vítima.

De acordo com o delegado Miguel Cesar Stadler, da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), os crimes passionais são aqueles em que o agressor perde o controle de uma forma por vezes doentia e extravaza violentamente contra a pessoa por quem ele nutre uma paixão.

Normalmente o autor do crime perde a noção ou a lucidez, não tem noção exata do que está fazendo, movido justamente por excesso de paixão. Em geral, esses crimes tem relação com ciúmes, traição ou fim de um relacionamento, explica o policial.

Os assassinos passionais, inclusive, costumam não apenas matar suas companheiraas, mas também torturá-las, embora nem sempre o crime seja premeditado. No caso da auxilair administrativa, o assassino, além de ter estrangulado a vítima, também a agrediu com marteladas na cabeça. Em outro caso, registrado no dia 4 de outubro, um homem de 30 anos ateou fogo na própria esposa.

Na maioria dos casos de homicídios passionais a vítima fica bastante machucada, com várias lesões. Em geral são várias facadas ou golpes com algum outro objeto. A vítima também costuma apresentar ferimentos característicos de defesa, principalmente nos braços, aponta Stadler, evidenciando a presença do ódio nos crimes que dizem serem movidos por amor.

Dizer que um homicídio tem caráter passional, no entanto, de nada serve ao direito. Desde 1984 o Código penal brasileiro, em seu artigo 28, aponta que a paixão e a emoção não excluem a imputabilidade penal. Esse entendimento foi exportado do Código Penal italiano.

 

Casos de crimes passionais em outubro em Curitiba e Região Metropolitana

3 de outubro
Uma diarista de 40 anos foi morta pelo ex-marido, contra quem tinha uma medida protetiva. O segurança de 42 anos invadiu o condomínio em que ela morava, no bairro Boqueirão, e atirou contra a mulher. Ele não aceitava o fim do relacionamento e já havia feito ameaças anteriormente. No Facebook, praticamente anunciou o crime na noite anterior, ao postar uma foto dela com a seguinte frase: Sempre te amarei para sempre. O nunca não existe o amor além da vida, você fez e faz parte de mim, te amo. Antes, já havia escrito também que tem decisões que quando tomadas não há como desfazer. Se há como voltar atrás depende do óbvio que causou a situação

4 de outubro
Os ciúmes do marido levaram uma mulher à morte em Piraquara, na região metropolitana de Curitiba. Segundo a Polícia Civil, o homem de 30 anos, chegou em casa embriagado na noite de domingo e teve uma discussão com a mulher. Ele então encharcou ela com gasolina e ateou fogo na vítima, que ficou cerca de uma semana internada no Hospital Evangélico e passou por cirurgia, mas acabou não resistindo aos ferimentos. O marido dela foi preso na última terça-feira, enquanto ainda estava internado no hospital em que a esposa faleceu.

8 de outubro
Um homem de 41 anos que não aceitava o fim de seu relacionamento com a ex-mulher, protagonizou uma tragédia em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. Durante a tarde, ele invadiu a loja de brinquedos da ex e afirmou que iria matá-la. Ela não acreditou na ameaça, mas no começo da noite o homem retornou armado e atirou contra ela e o seu atual namorado. Em seguida, atirou em si mesmo. Os três morreram.

14 de outubro
Uma auxiliar administrativa de 34 anos, foi encontrada morta dentro da própria casa no bairro Ahú, em Curitiba. Segundo a Polícia Militar, o corpo tinha marcas de martelada na cabeça e indícios de estrangulamento. O principal suspeito do crime é o marido da vítima, que está sendo procurado pela polícia após fugir usando o carro dela.