Publicidade
Navios

Cruzeiros Marítimos injetaram mais de R$ 2 bilhões na economia brasileira

(Foto: Divulgação/Assessoria de imprensa)

A CLIA Brasil (Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos) acaba de lançar o Estudo de Perfil e Impactos Econômicos de Cruzeiros Marítimos no Brasil – Temporada 2018/2019, levantamento realizado em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), que traz dados inéditos do setor no Brasil e no mundo, além de traçar a interferência do cenário da economia nacional e internacional no segmento e no comportamento do turista.

Para falar desses números, é necessário fazer uma contextualização. De acordo com a Organização Mundial do Turismo – UNWTO, as viagens no mundo chegaram ao patamar de 1,4 bilhão de chegadas internacionais de turistas no ano de 2018, 6% superior ao número de 1,3 bilhão de 2017.

Como vem ocorrendo no mundo, ao longo dos anos, o setor de cruzeiros continua crescendo, impulsionado, principalmente, pelo aumento da quantidade e diversificação de roteiros. Em 2019 o setor ganhará 24 novos navios e capacidade adicional total de 42.466 pessoas e, em 2020, mais 25 novos navios já estão previstos, com capacidade adicional total de 43.080 pessoas (Cruise Industry News).

Segundo a Associação Internacional de Cruzeiros (CLIA), em 2018, o número total de cruzeiristas no mundo foi de 28,5 milhões. Em 10 anos, a procura por viagens a bordo de um navio aumentou pouco mais de 60%, passando de 17,8 milhões em 2009 para os 28,5 milhões atuais.

No Brasil, a temporada 2018/2019 de Cruzeiros Marítimos (que teve início em 13 de novembro de 2018 e encerrou-se em 18 de abril de 2019) foi responsável por um impacto econômico de R$ 2.083 bilhões na economia do país. Esse número, que engloba tanto os gastos diretos, indiretos e induzidos das companhias marítimas, quanto os gastos de cruzeiristas e tripulantes, foi 16,2% maior em comparação ao período 2017/2018, o que significa um acréscimo de R$ 291 milhões.

Os setores mais beneficiados com os gastos dos cruzeiristas e tripulantes (sem contar as armadoras) foram: comércio varejista - despesa com compras e presentes – (R$ 329,7 milhões), seguido por alimentos e bebidas (R$ 325,1 milhões), transporte antes e/ou após a viagem (R$ 175,8 milhões), passeios turísticos (R$ 140,9 milhões), transporte nas cidades visitadas (R$ 69,1 milhões) e hospedagem antes ou após a viagem de cruzeiro (R$ 43,7 milhões).

Foram exatos 841 dias de navegação (5,4% a mais que na temporada anterior), com sete navios operando na costa brasileira, transportando, aproximadamente, 462 mil cruzeiristas (crescimento de 10,5% ante os 418 mil anteriores) por 14 destinos nacionais (Santos, Rio de Janeiro, Búzios, Salvador, Ilha Grande, Ilhabela, Ilhéus, Recife, Maceió, Angra dos Reis, Porto Belo, Cabo Frio, Ubatuba e Balneário Camboriú), e por outros 3 locais na América do Sul: Argentina (Buenos Aires) e Uruguai (Montevidéu e Punta del Este).

Vale ressaltar que esse acréscimo, mesmo com igual número de navios nas últimas temporadas, pode ser explicado pelo aumento da eficiência das embarcações e roteiros. Para se ter uma ideia, o número médio de cruzeiristas por navio por temporada teve um aumento de 10,5%, entre 2017/2018 e 2018/2019.

“Esse é o Segundo período de alta e a tendência é continuar crescendo nos próximos anos. A grande questão é que, ao lado dos dados positivos, existe a constatação de que os números poderiam ser bem melhores, com avanços e ajustes na regulação, infraestrutura e desenvolvimento de novos destinos. O objetivo da CLIA é melhorar o ambiente de negócios para atrair mais Navios de Cruzeiros, abrir portas para os destinos, fortalecer o turismo e ter uma parceria de sucesso com o país e com as comunidades, já que nosso setor é forte gerador de empregos e de renda”, enfatiza Marco Ferraz, presidente da CLIA Brasil.

O levantamento ainda mostra que o gasto médio por passageiro com a compra da viagem de cruzeiro foi de R$ 2.929, e o tempo médio da viagem foi de 5,5 dias. Além disso, o estudo mostra que o impacto econômico médio gerado por cada cruzeirista nas cidades de escala foi de R$ 581,35 (na última temporada foi R$ 515).

Empregos

Na temporada 2018/2019 foram gerados 31.992 postos de trabalho na economia brasileira, 15,3% a mais que no período anterior. Do total de empregos criados pelo segmento, 2.115 foram de tripulantes dos navios e outros 29.877 empregos diversos, de forma direta, indireta e induzida, motivados pelos gastos dos turistas nas cidades portuárias de embarque/desembarque e visitadas, além dos gerados na cadeia produtiva de apoio ao setor.

Perfil do viajante

A maior parte dos pesquisados (mais precisamente 86,2%) deseja realizar uma nova viagem de cruzeiro, e quando perguntados sobre o destino de preferência no Brasil, 58,1% deles informaram o Litoral Nordeste e, em seguida, aparece a Costa Sul, com 16% da procura. No exterior, 37,7% dos cruzeiristas indicaram o Caribe como preferência de viagem, seguido da Europa, com 36,4%.

Os resultados da pesquisa destacam ainda que a indicação de amigos e parentes (28,8%) e os preços mais vantajosos (12,1%) foram os principais fatores de influência na decisão de fazer uma viagem de cruzeiro.

Quanto à frequência, 51,7% dos cruzeiristas realizavam sua primeira viagem de navio, enquanto 48,3% já haviam viajado de cruzeiro (três vezes, em média).

No que diz respeito à origem dos turistas pesquisados, 90,9% residem no Brasil, sendo a maioria dos entrevistados procedentes do Estado de São Paulo (54,9%), seguido do Estado do Rio de Janeiro (16%) e do Estado de Minas Gerais (6,3%). Dentre os estrangeiros (9,1%), destaca-se a Argentina, com 55% dos pesquisados.

Expansão e crescimento para a próxima temporada

A temporada 2019/2020 no Brasil receberá exatos oito navios: MSC (Seaview, Sinfonia, Fantasia, Música e Poesia), Costa (Pacífica e Fascinosa) e Pullmantur (Soberano), trazendo 531.121 leitos divididos por 144 roteiros e 575 escalas.

Outra grande novidade é a cidade de Itajaí, em Santa Catarina, que passará a ter embarques e desembarques, ampliando as opções para os moradores da região Sul do país.

“Temos hoje destinos mais próximos de operar a temporada brasileira, é o caso de Arraial do Cabo-RJ, que teve o porto desembargado há dois meses, e Penha-SC, onde já temos o ponto de fundeio estabelecido. A médio prazo, queremos voltar para São Francisco do Sul, que depende de um batimetria, temos projetos para chegar à Ilha do Mel, no Paraná, que já tem até um ponto de fundeio. Paraty-RJ, Vitória-ES, Itaparica-BA, Porto Seguro-BA, Maceió-AL e Aracaju-SE são outros destinos que daremos uma maior atenção já para as próximas temporadas”, completa Ferraz.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES