Cuca se diz conformado com saída de Soteldo e promete subir garotos da base

O técnico Cuca tinha tanto o que comemorar quanto o que lamentar após a vitória do Santos contra o Coritiba pela 17ª rodada do Campeonato Brasileiro. A comemorar, principalmente, a vitória fora de casa que levou o time à 5ª colocação na tabela. A lamentar, a saída de Soteldo, negociado pelo Santos com o Al Hilal, da Arábia Saudita, e que o técnico disse ter se despedido do clube no jogo.

Cuca revelou que aconselhou Soteldo sobre a transferência. "Ele conversou comigo ontem (sexta-feira). Disse que ele tinha feito uma proposta para o pessoal da Arábia e eles tinham aceitado. Ele me perguntou o que eu achava e, lógico, eu dei meus pareceres a ele. Falei que ele tinha que ligar par o treinador da Venezuela para saber se indo para lá ia prejudicar a convocação dele, se ele ia com a família, porque se você não for com a família para a Arábia você não aguenta. Ele me falou que ia com a família e que era uma proposta boa", contou o técnico santista.

"Por essa necessidade que o Santos tem de fazer dinheiro eu fico triste, fico muito triste de vender o Soteldo. Nesse pouco tempo que estou aqui, eu gosto muito dele, como pessoa e como jogador, mas a gente tem que entender que o momento é complicado, que a gente precisa de uma condição financeira para por os salários em dia, para pagar a dívida que tem lá fora", comentou o treinador.

"O Santos é uma potência, não pode ficar com dívida, vamos pagar essa dívida, e vamos com os meninos. A gente fica triste, imagino que o torcedor está 'pê da vida' que o Soteldo vai embora, mas vai fazer o que? Alguém a gente tinha que vender. Ninguém fica mais triste que eu, perdemos uma engrenagem importante, mas vida que segue", resignou-se Cuca.

Em outro ponto da entrevista coletiva, Cuca afirmou que, com a saída de Soteldo e a suspensão no contrato de Robinho, planeja subir dois "bons" garotos da base para jogar nas pontas do ataque.

SEM POUPAR - Cuca ainda rechaçou a possibilidade de poupar jogadores na partida contra o Defensa Y Justicia, pela Copa Libertadores, na próxima terça. O Santos já está classificado para as oitavas de final, mas ainda briga para ser o primeiro colocado geral, o que dá vantagem de decidir em casa no mata-mata. "Não tem como preservar num grupo tão enxuto como a que gente está. O melhor descanso que esse pessoal tem é jogar. Vamos jogar. A gente tem treinado bem também, no pouquinho de tempo que a gente tem", relatou Cuca.

"Temos aberto mão de dois toques, de diversão, para treinar o time. Nós tivemos uma queda em algumas coisas, na saída de bola principalmente, temos que treinar mais. O adversário começa a entender, marcar, todo mundo tem serviço de inteligência. Eles olham, treinam esses movimentos, a gente tem que inventar coisas novas para poder envolver o adversário. No pouco tempo que a gente tem, eu vou treinar", comentou o treinador sobre como tem lidado com o excesso de jogos em um curto período de tempo.

"Então, é força total nesse jogo, é um jogo decisivo pro Defensa Y Justicia, pro Delfín, pro Olimpia, tem muita coisa em jogo. E pra nós, é um jogo que pode nos encaminhar para uma primeira posição, ou se não, segundo melhor de toda a competição. Depois, você tem os ganhos, que é mandar o segundo jogo em casa. A gente não pode abrir mão disso. Em 2013, no Atlético, nós fomos o melhor e decidimos sempre em casa. Vamos tentar ser o melhor no jogo de terça-feira, mas é jogo duro", projetou Cuca.