Publicidade
Cidade pioneira

Curitiba pede certificado de eliminação da transmissão do HIV de mãe para filho

Curitiba pede certificado de eliminação da transmissão do HIV de mãe para filho

Curitiba foi a primeira capital do País a pedir o Certificado da Eliminação da Transmissão do HIV de mãe para filho. A solicitação foi feita nesta sexta-feira (29/9) pela secretária municipal da Saúde, Marcia Huçulak, ao ministro da Saúde, Ricardo Barros, no HepAids 2017, evento que trouxe à cidade quatro mil pessoas para discutir a prevenção combinada.

Curitiba já havia sido pioneira na luta contra o HIV, foi o primeiro município brasileiro a implantar a testagem para as gestantes em toda a rede municipal, destacou Marcia. Agora é a primeira capital a comprovar que está eliminando a transmissão do vírus de mãe para filho. Isso reflete a qualidade da assistência dada pelo município ao pré-natal, parto e acompanhamento da criança e das intervenções preventivas, desde a implantação do Programa Mãe Curitibana.

Eliminação significa que o município conseguiu controlar a transmissão de determinada doença ou forma de contágio, embora ainda persista o risco da sua reintrodução. A eliminação da transmissão do HIV de mãe para filho é resultado de uma série de ações feitas pela Prefeitura no acompanhamento da gestante, que impedem que o vírus seja passado durante a gestação, parto ou aleitamento. Desde 2014, a cidade teve apenas um caso de bebê contaminado com o vírus e ele está sendo acompanhado pela rede laboratorial do município.

Temos de agradecer ao prefeito Greca e equipe e a todos os demais municípios que fizeram hoje a solicitação do certificado. Esperamos que o Brasil todo avance para que na Assembléia da Organização Mundial da Saúde, no ano que vem, possamos ser reconhecidos como mais um país que eliminou a transmissão de mãe para filho do HIV, uma tarefa difícil, mas possível, declarou o ministro.

Em Curitiba, as ações que possibilitaram o pedido da certificação estão integradas no Rede Mãe Curitibana Vale a Vida, lançado em 1999, e no programa de HIV/Aids da Secretaria Municipal da Saúde. Juntos fazem o atendimento integral às gestantes, com medidas como a testagem do HIV descentralizada (gestantes, parturientes e parceiros), o acompanhamento especializado, a terapia antirretroviral na gestação, parto e para o recém-nascido, a inibição da lactação e o acompanhamento de puerpério.

O pedido da certificação

Para solicitar a certificação, a cidade precisou cumprir indicadores e metas de impacto nos últimos três anos, como a manutenção da taxa de transmissão vertical para cada mil nascidos vivos inferior a 0,3.

O município teve também de comprovar que possui uma linha de cuidado e monitoramento à gestantes, para diagnóstico, tratamento e prevenção do contágio do bebê, o que conseguiu com o Mãe Curitibana associado às ações do programa de HIV/Aids, além de ter um Comitê de Prevenção à mortalidade infantil e fetal e um Comitê de Transmissão Vertical HIV e Sífilis.

Atingir as condições de eliminação da transmissão de mãe para filho mostra que é possível mirar mais alto e buscar a redução dos índices de contaminação por outras formas, com a ampliação das formas de prevenção. Foi um trabalho de longo prazo, que começa a dar resultados. Foram mais de 15 anos investindo na implantação de ações como a capacitação de toda a rede de atenção básica e hospitalar para acompanhar essas gestantes e esses bebês, a criação de uma logística para ampliar os testes de diagnósticos e toda a parte de acesso aos medicamentos, explica a coordenadora de Vigilância Epidemiológica dos Agravos Crônicos Transmissíveis da Secretaria Municipal da Saúde, Liza Regina Rosso.

Podem solicitar a certificação ao Ministério municípios com mais de 100 mil habitantes que atingiram indicadores e as metas estabelecidos conforme as diretrizes da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) e da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Além de Curitiba, solicitaram a certificação os municípios de Umuarama (PR), Ourinhos (PR), Rondonópolis (MT) e Taboão da Serra (SP). Os certificados serão emitidos pelo Ministério durante o Dia Mundial de Luta contra o HIV/Aids, em 1º de dezembro.

 

Entenda:

O que é a transmissão vertical: a transmissão vertical é a infecção pelo vírus HIV passado da mãe para o filho durante o período da gestação (intrauterino), no parto (trabalho de parto ou no parto propriamente dito) ou pelo aleitamento materno. 

Eliminação: A eliminação de uma doença é atingida quando se cessa sua transmissão em extensa área geográfica, persistindo, no entanto, o risco de reintrodução. É uma alternativa próxima à erradicação (quando não há mais risco de infecção ou doença, objetivo raramente atingido), porém, mais viável.

Publicidade