Publicidade
Prateleiras cheias

Curitiba regulariza estoque de remédios nas unidades de saúde

(Foto: Joel Rocha/SMCS)

Medicamentos na prateleira e estoque regularizado. Um ano após o início do Plano de Recuperação de Curitiba, a cidade deixou para trás o fantasma da falta de remédios, um problema que havia sido herdado da gestão anterior.

De janeiro a julho de 2018, a Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba distribuiu 136.541.224 unidades de medicamentos nos 111 postos de saúde. Este número é 44% maior que a quantidade de medicamentos distribuídos no mesmo período do ano passado (94.691.048).

O almoxarifado da rede foi entregue completamente vazio para atual gestão, em janeiro de 2017. Faltavam medicamentos básicos nas farmácias das unidades de saúde e os fornecedores se negavam a entregar produtos, por conta das dívidas pendentes deixadas pela gestão anterior, agravando a crise.

O fornecimento de medicamento só pode ser regularizado após o ajuste fiscal. Vencida essa etapa, o abastecimento foi normalizado e a população voltou a ter acesso aos medicamentos da Farmácia Curitibana. Desde, então, Curitiba não enfrentou mais problemas de falta de remédios.

“Com o apoio da Câmara Municipal e o ajuste fiscal do prefeito Rafael Greca, conseguimos resolver, em definitivo, o problema herdado da gestão anterior de falta de medicamentos”, explica a secretária municipal da saúde, Márcia Huçulak. “Hoje em dia não faltam medicamentos da Farmácia Curitibana nas nossas unidades. As prateleiras das farmácias dos postos estão abastecidas e o almoxarifado tem sempre estoque para repor”, conta.

Em média, considerando o período de janeiro a julho de 2018, foram distribuídos nas unidades de saúde de Curitiba 19,5 milhões de unidades de medicamentos por mês. Em 2017, essa média, no mesmo período, era de 13,5 milhões, uma quantidade não suficiente para suprir a demanda da população.

“Muitas vezes precisei comprar os remédios porque estava sempre em falta. Hoje eu consegui pegar todos, espero que continue assim, que nunca mais falte, é muito bom para a população” diz a dona de casa Consuelo Rocha Gomes, 56 anos. Ela é usuária frequente da Unidade de Saúde Mãe Curitibana, faz acompanhamento por síndrome do túnel do carpo, passou recentemente por cirurgia e faz uso de vários medicamentos.

Quem chega pela primeira vez para buscar medicamento na unidade de saúde também se surpreende. “Olha, eu estou admirada, hoje foi a primeira vez que eu vim buscar remédio na unidade e em menos de cinco minutos estou saindo com todos na mão”, relata a cuidadora de idosos Antônia Alves Barbosa, 52 anos. Ela foi buscar a medicação para uma paciente que cuida com síndrome Devic e tem dificuldades de locomoção.

 

COMPARATIVO MENSAL DAS UNIDADES DE MEDICAMENTOS DISTRIBUÍDAS

Janeiro 2017 – 15.938.784

Janeiro 2018 - 19.998.112

Fevereiro 2017 - 13.478.580

Fevereiro 2018 - 17.522.719

Março 2017 - 13.655.888

Março 2018 - 18.579.305

Abril 2017 - 11.150.407

Abril 2018 - 20.349.996

Maio 2017 - 11.740.716

Maio 2018 - 20.743.887

Junho 2017 - 13.421.706

Junho 2018 - 19.420.276

Julho 2017 - 15.304.967

Julho 2018 - 19.928.929

Total em 2017 - 94.691.048

Total em 2018 - 136.543.224

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES