Publicidade
Verão

Curitibanos migram ao Litoral para tentar uma renda extra na temporada

Atividades vão de food trucks a aluguel de imóveis ou até mesmo como ambulantes
Curitibanos migram ao Litoral para tentar uma renda extra na temporada

Verão, férias e praia. Três palavras que combinam com turismo, como o Réveillon tratou de demonstrar diante da ‘invasão’ de veranistas no litoral paranaense. Mas, além disso, poderiam ser associadas também termos como oportunidade, negócios, lucro. E não apenas para quem já mora em municípios litorâneos, mas também para muitos curitibanos que aproveitam essa época do ano para obter uma renda.

Quem visitar Caiobá, por exemplo, irá se surpreender com a quantidade de food trucks na região, a maioria oriundos de Curitiba. Na Avenida Atlântica, por exemplo, logo no começo da Praia Brava, foi criado o Recanto do Foodtruck, espaço que funciona todos os dias a partir das 17 horas até 13 de março e que reúne seis trucks, todos de Curitiba. Um deles é a Sucobras, fundada há dois anos e especializada no comércio de sucos e baguetes.

Nosso objetivo principal é ofertar uma alimentação mais saudável e aqui tem bastante gente, um público que quer se alimentar melhor, afirma Leonardo Colleti, de 42 anos, sócio-proprietário da marca. O faturamento acaba nem sendo tão grande porque o custo para a gente se manter aqui também é alto, mas é importante para gente divulgar a marca. Muitos dos clientes que encontramos aqui voltamos a ver em Curitiba, no interior do Paraná, complementa.

Entre os diversos ambulantes que circulam pelas praias, também há curitibanos que aproveitam a temporada para faturar um pouco mais. Um deles é Orlando Fernandes, que há 10 anos desce a serra para comercializar água de cocô em sua barraca, localizada em Guaratuba. Com fluxo bom, chego a tirar de R$ 18 a 20 mil na temporada.

E há ainda os curitibanos que possuem imóvel no litoral, mas em vez de encarar o turbilhão de final de ano preferem alugar seus imóveis. É o que faz Rita de Cássia, que possui um apartamento em Pontal do Paraná. Já alugamos o apê para até metade de janeiro. Com esse dinheiro, conseguimos cobrir boa parte das despesas de manutenção do imóvel ao longo do ano, além de ser um reforço importante num momento em que começam a vir outras contas para pagar, como o IPVA, comenta.

Virada
De acordo com dados da polícia do Paraná, cerca de 1,5 milhão de pessoas participaram da festa de réveillon nas praias paranaenses. Durante a operação, os militares estaduais tiveram o apoio do monitoramento da Plataforma de Observação Elevada (POE) em Matinhos, e do Centro Integrado de Comando e Controle Móvel (CICCM) em Guaratuba, que auxiliaram no acompanhamento de todo o público que esteve nas praias para festejar o Ano Novo. As plataformas contam com câmeras de alta definição que conseguem operar em locais com baixa luminosidade.

Publicidade

Veja também