Boletim da Secretaria de Saúde

Depois de 543 dias, Curitiba tem dia sem registro de morte por Covid-19

Avanço na vacinação é o principal fator de redução dos casos e mortes
Avanço na vacinação é o principal fator de redução dos casos e mortes (Foto: Geraldo Bubniak/AN-PR)

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de Curitiba não registrou óbitos de moradores da cidade por Covid-19, ontem, contabilizando as últimas 48 horas. Em novembro, a cidade já havia confirmado retroativamente as primeiros datas sem mortes de casos que estavam em investigação. Ontem, porém, foi o primeiro dia sem registros, o que não acontecia há 543 dias (desde 6 de junho de 2020).

Um dos fatores que tem contribuído para a redução das mortes é o avanço na imunização. Curitiba atingiu a marca de 94% dos moradores com 12 anos ou mais (público-alvo) com ao menos uma dose da vacina anticovid e 84,5% com o ciclo de imunização completo.

“É mais uma notícia muito animadora e que comprova os benefícios da vacina e das medidas de enfrentamento da pandemia que tomamos até aqui. Mostra que estamos no caminho certo e por isso os curitibanos devem seguir com esses cuidados”, disse a secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak.

A SMS lembra que as informações são dinâmicas e todos os óbitos por Covid passam por intensa investigação. Assim é possível que o número de mortes notificados em um dia possa sofrer alteração.

Novos casos

Ontem, Curitiba registrou 49 novos casos de Covid-19, totalizando 298.550 moradores de Curitiba que já testaram positivo para a doença desde o início da pandemia, dos quais 289.597 estão liberados do isolamento e sem sintomas da doença.

Até o momento foram contabilizadas 7.798 mortes na cidade provocadas pela doença. São 1.155 casos ativos na cidade, correspondentes ao número de pessoas com potencial de transmissão do vírus.

Ontem, a taxa de ocupação dos 120 leitos de UTI SUS exclusivos para Covid-19 estava em 33%. Restavam 80 leitos livres. A taxa de ocupação dos 114 leitos de enfermarias SUS Covid-19 estava em 35%. Havia 74 leitos vagos.

Paraná

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou ontem mais 476 casos confirmados e 10 mortes em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus. Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 1.573.162 casos confirmados e 40.578 mortos pela doença.

Ao todo, 164 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estavam internados em leitos SUS ou particujlares até ontem no Estado, sendo 90 em UTIs.

Boletins Covid-19
Dia 01/12

Curitiba
Novos casos 49
Mortes 0
Total
Casos 298.550
Mortes 7.798

Paraná
Novos casos 476
Mortes 10
Total
Casos 1.573.162
Mortes 40.578

Brasil
Novos casos 11.413
Mortes 283
Total
Casos 22.105.872
Mortes 614.964

Ômicron: Anvisa pede dados sobre eficiência das vacinas

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou ontem que solicitou às desenvolvedoras de vacinas contra a Covid-19 autorizadas no Brasil informações sobre estudos em andamento relacionados à nova variante Ômicron. O pedido foi encaminhado à Pfizer, ao Instituto Butantan, à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e à Janssen.

“A Anvisa exige, para as vacinas autorizadas, que os desenvolvedores monitorem e avaliem o impacto das variantes na eficácia e na efetividade dos imunizantes. É preciso observar, porém, que esses estudos demandam tempo, uma vez que é preciso obter informações genéticas e amostras de pacientes para então realizar os testes e a análise”, destacou a agência.

As empresas desenvolvedoras das doses, segundo a Anvisa, farão testes de desempenho das vacinas contra a nova variante. A expectativa da agência é que, nas próximas semanas, os dados das avaliações iniciais estejam disponíveis.

“A Anvisa mantém o compromisso de atuar juntamente com as autoridades internacionais e as empresas envolvidas para permitir que as atualizações nas vacinas, caso necessárias, sejam realizadas com agilidade, mantendo o perfil de qualidade, eficácia e segurança.”

A agência alertou que o momento é de cautela e que a melhor coisa que a população pode fazer é ser vacinada, ou receber o reforço do imunizante, além de manter medidas de prevenção como o uso de máscara, a higienização das mãos e o distanciamento social.