Publicidade
PontoCom

Dez provas de que esse é o Mundial dos apps

A Copa do Mundo da Rússia representa um momento único para anunciantes em todo o mundo. Até o final do Mundial, milhões de pessoas torcerão por suas seleções, acompanhando tudo em tempo real, muitas vezes, em seus dispositivos móveis.
Segundo o estudo realizado pela Headway, em parceria com a App Annie, cerca de 30% dos fãs afirmaram assistir a eventos esportivos em seus dispositivos móveis. Este comportamento se dá pela facilidade com que os dispositivos móveis oferecem para seus usuários, já que podem consumir o conteúdo esportivo quando e a maneira que quiserem.
Fatos levantados pela Headway

  • Os dispositivos móveis representam 73% do consumo total da Internet.
  • Em 2017, 30% dos fãs de eventos esportivos disseram que viram os jogos em seus dispositivos móveis.
  • Em 2017, um usuário gastou, em média, três horas por dia consultando conteúdos em aplicativos.
  • Durante os Jogos Olímpicos e Super Bowl em 2017, o download e o uso de aplicativos de entretenimento também aumentou.
  • Durante a Copa do Mundo de 2014, o aplicativo da Fifa foi baixado pouco mais de 18 milhões de vezes, padrão este que deve ser seguido durante o Mundial da Rússia.
  • Os números da plataforma online do Fifa Global Stadium em 2014 mostraram que o público digital ultrapassou um bilhão de usuários.
  • 80% dos torcedores usam seus tablets e smartphones para procurar informações complementares, como estatísticas dos jogadores ou vídeos de determinadas jogadas.
  • O acesso à internet cresceu de 42,3% para 54,5% desde a última Copa.
  • Os consumidores de todo o mundo utilizaram por aproximadamente 1,2 bilhão de horas os aplicativos de celulares Android em 2017.
  • Os usuários de smartphones passam sete vezes mais tempo utilizando apps nativos em comparação com browsers; e costumam acessá-los com uma frequência 13 vezes maior.

Bizarrices

Sonho da dona de casa – Uma máquina que dobra roupas é a nova sensação do mercado. A  FoldiMate, promete dobrar qualquer tipo de roupa em segundos. A questão é o tamanho do equipamento e o custo, estimado em US$ 980. O produto, no entanto, ainda não está disponível no mercado. Ainda em estudos, a previsão é de que chegue às prateleiras em 2019.

DESTAQUES DOS EDITORES