Jogo de empurra

'É um retrato da falta de fiscalização', diz governador do Rio sobre desabamento

Bombeiros trabalham no resgate de vítimas de desabamento no Rio
Bombeiros trabalham no resgate de vítimas de desabamento no Rio (Foto: Divulgação Centro de Operações da Prefeitura do Rio)

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, disse que o desabamento dos prédios, na manhã de hoje (12), na zona oeste da cidade , é retrato da falta de fiscalização por parte do município. Segundo ele, não se pode culpar apenas a gestão atual. Afirmou ainda que esse tipo de fiscalização não cabe ao governo do estado.

"Esse prédio que desabou é um retrato da falta de fiscalização por parte do município. O estado não tem poder de fiscalizar edificações. São edificações que tem que ser coibidas pelo município. Agora, se a área era uma área de milícia como está sendo dito, no nosso governo estamos combatendo todas as áreas de milícias", disse.

Witzel afirmou que a Polícia Civil trabalha para identificar as milícias que atuam na região do desabamento. A prefeitura informou hoje que o prédio que desabou já estava interditado desde o ano passado, mas que o controle de milicianos sobre a região dificulta a atuação municipal.

Solidariedade - O governador participou da assinatura do termo de permissão para que Flamengo e Fluminense assumam a gestão do Complexo do Maracanã e iniciou seu discurso lamentando a tragédia:

"Nossa solidariedade por essas famílias e nosso sentimento de profundo pesar pelas perdas das vidas humanas, inclusive uma criança de 7 anos."

O vice-governador, Cláudio Castro, disse que a polícia prendeu pessoas que trabalhavam na construção de prédios irregulares como o que desabou, mas ainda não identificou os responsáveis pelas obras.

"Vão ter que ser ações coordenadas. Não só governo municipal e estadual, mas também Ministério Público e Justiça".