Desabafo na linha de frente

‘É uma situação de guerra’, diz diretor-geral do Hospital do Trabalhador sobre leitos Covid

Hospital do Trabalhador está no limite: “Não temos mais leitos, não temos mais médicos”
Hospital do Trabalhador está no limite: “Não temos mais leitos, não temos mais médicos” (Foto: Franklin de Freitas)

Para tentar melhorar o atendimento dos mais de 200 pacientes diagnosticados com Covid-19 que estavam à espera de um leito de UTI até o último fim de semana, o Conselho Regional de Medicina do Paraná (CRM-PR) editou uma norma para flexibilizar o número de médicos e leitos de internação em enfermarias e UTI, neste último domingo, 28 de fevereiro.

“Com isso, conseguimos ampliar o número de leitos de UTI de 78 para 81 e atender uma jovem gestante, de 25 anos, de oito meses de gravidez e que estava entubada em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA)”, revela o diretor-geral do Complexo do Hospital do Trabalhador, Geci Labres de Souza Junior.

“É uma situação de guerra e de extrema excepcionalidade”, explicou. “E infelizmente, deve piorar porque ainda não se passaram duas semanas do Carnaval”, diz o diretor citando os casos de aglomeração registrados no período.

Souza Junior explica que, pelas normas, cada UTI precisa de um médico, um enfermeiro cada 10 pacientes e um técnico de enfermagem para cada dois leitos. Com a mudança, agora cada equipe pode cuidar de 12 pacientes. “ Agora temos no Complexo do Hospital do Trabalhador mais 3 leitos extraordinários”, diz e ressalta que esse ‘é o limite do limite’. “Não temos mais leitos e não temos mais profissionais para atender mais leitos”, afirma.

Segundo os dados do Sistema de Saúde, no Paraná nesta segunda-feira, 1º de março, havia 555 pessoas em fila de espera por um leito. Destes, 40% precisam de um leito de UTI. Souza Junior lembra que os 3 leitos criados já estavam ocupados e não há expectativas de liberação. “Infelizmente, temos registrado uma média de 2 a 4 mortes por dia na UTI e essa é única possibilidade de liberação de leitos no momento”, afirma.

Dos 81 pacientes que estavam na UTI do HT, Souza Junior ressalta que todos eram gravíssimos e, de acordo com os números da pandemia, o índice de mortalidade está em 30%. “Mas infelizmente na última quinta-feira, registramos sete mortes”, conta.

O diretor-geral alerta que nessa onda de Covid-19 não há mais grupo de risco. Ele ressalta que é importante que ‘as pessoas saibam que não temos como cuidar de quem não se cuida’.

“Não temos mais leitos, não temos mais médicos, não temos mais profissionais para atender os doentes que estão chegando”, diz.

O médico alerta que o número de contaminados cada vez mais novos está crescendo. “Os jovens estão adoecendo mais e mais rápido e precisam de uma UTI, quando não morrem rapidamente”, conta. Ele cita que pacientes com 25 anos e 30 anos estão internados em estado gravíssimo nas UTI. O tempo de internação destas pessoas é de 20 a 30 dias, mas há pacientes internados a 45 dias.

Sobre a possibilidade do Paraná viver uma situação parecida com a que ocorreu em Manaus, Souza Junior diz que o sistema hospitalar do Paraná é mais robusto. “Mas estamos em uma situação que beira o caos e, se as pessoas não se cuidarem poderemos ter gente morrendo sem atendimento”, finalizou ele.

Mais jovens são os mais afetados na segunda onda

Esta segunda grande onda da Covid-19 no Paraná vem com uma característica diferente e importante da primeira onda. Se aquela atingia mais os idosos e portadores de comorbidades, esta nova onda tem afetado mais os jovens, sobretudo na faixa dos 25 até 30 anos, boa parte sem pertencer a grupos de risco.

O fato já havia sido assinalado pelo governador Ratinho Jr no mês passado, assim como pela secretária de Saúde de Curitiba, Márcia Huçulak. Ontem, o governo de São Paulo fez o mesmo alerta, de aumento de casos entre os mais jovens. Segundo o governo, tem crescido o número de pacientes entre 30 e 50 anos, sem doença prévia.

“O aspecto clínico dos pacientes é diferente daquele que víamos na 1ª onda. Antes eram idosos e portadores de doenças crônicas, o que chamamos de comorbidade. Hoje é de 60% mais jovens, na faixa de 30 a 50 anos, sem doença prévia”, disse o o secretário de secretário de Saúde, Jean Gorinchteyn, em entrevista ao Jornal ‘O Estado de S. Paulo’. Assim como no Paraná, têm se verificado que este grupo fica mais tempo na UTI.

Secretários de Saúde pedem maior rigor

Os secretários estaduais de Saúde divulgaram ontem uma carta aberta à nação em que pedem maior rigor nas medidas de restrição das atividades não essenciais, incluindo restrição total nas localidades onde a ocupação de leitos estiver acima de 85% e houver tendência de elevação no número de casos e óbitos por Covid-19. As informações são da Agência Brasil.

No documento, os membros do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) solicitaram a proibição de eventos presenciais como shows, congressos, atividades religiosas, esportivas e similares em todo o país. O conselho também requer a suspensão das aulas presenciais em todos os níveis da educação do país e toque de recolher nacional de segunda a sexta, das 20h até as 6h, e durante os fins de semana. O documento solicita também o fechamento de praias e bares, a adoção de trabalho remoto e o aumento da testagem contra a doença.

O Conass pede o reconhecimento legal do estado de emergência sanitária e a viabilização de recursos extraordinários para o Sistema Único de Saúde (SUS) e a implementação imediata de um plano nacional de comunicação para reforçar a importância das medidas de prevenção e esclarecer a população.

“Entendemos que o conjunto de medidas propostas somente poderá ser executado pelos governadores e prefeitos se for estabelecido no Brasil um ‘Pacto Nacional pela Vida’ que reúna todos os poderes, a sociedade civil, representantes da indústria e do comércio, das grandes instituições religiosas e acadêmicas do País, mediante explícita autorização e determinação legislativa do Congresso Nacional”, finaliza a carta.

Nota do CRM-PR
Excepcionalidade sobre a proporção de leitos de enfermaria e UTI para atendimentos Covid-19 no Paraná diante do cenário de esgotamento do sistema de saúde.
Considerando a situação atual da pandemia no Paraná e a necessidade de flexibilização dos parâmetros determinados em normas estabelecidas da relação entre número de médicos e leitos de internação em enfermarias e UTI.

Resolve: Excepcionalmente flexibilizar esses parâmetros de acordo com a avaliação conjunta do responsável técnico, das equipes, da direção técnica e clínica e das autoridades envolvidas.
Essa responsabilidade deverá ser compartilhada entre toda a sociedade sendo certo que o médico é parte integrante e sua opinião deverá sempre ser levada em consideração.
O CRM-PR mantém canais de acesso aos médicos através do departamento de fiscalização.