Publicidade
Pandemia

EAD do governo do Paraná enfrenta críticas e denúncias no Ministério Público

(Foto: Divulgação)

Além das inúmeras críticas dos pais, professores e estudantes ao modelo de ensino à distância implantado pela Secretaria de Estado de Educação (SEED) para o período da pandemia de coronavírus, o governo também vai enfrentar a fiscalização dos ministérios públicos. A APP-Sindicato, que representa os professores e funcionários da rede estadual de ensino, formaliza nesta quarta (8) uma denúncia no Ministério Público do Trabalho no Paraná (MPT-PR) contra a proposta. Segundo o presidente da APP-Sindicato, Hermes Silva Leão, a proposta do governo não prevê uma organização de trabalho, nem turnos e ainda obriga os professores a usarem equipamentos e internet próprios. "Os professores estão enfrentando um conjunto de situações não previstas pelo governo. No sábado e domingo, diretores ficam recebendo pedidos e documentos e orientandos da SEED em horários fora do turno, alunos com dúvidas o tempo todo. Não temos regulamentação sobre turnos e sobre equipamentos. Exigir investimentos em equipamentos de uma categoria com média salarial mais baixa é inaceitável. Percebemos da SEED não se preocupa com o principal obetivo que é cuidar da vida das pessoas", diz Leão. A APP também já apresentou denúncia ao Ministério Público do Paraná (MPPR) por considerar que o ensino à distância do governo do Paraná não garante a educação universal, ou seja, deixará vários estudantes de fora.

Para o presidente da APP-Sindicato, o problema principal é que decisões têm sido tomadas por decreto, sem ouvir os profissionais e especialistas da educação. “Essa educação a distância que o secretário Renato Feder está impondo não foi debatida com a categoria. Não foi levada em consideração as realidades dos nossos estudantes e das nossas escolas. Portanto, é importante suspender o calendário e pensarmos juntos a melhor forma, para a categoria e para os estudantes, de fazer a reposição das aulas após o período de isolamento social”, afirma. "A educação precisa ser universal entre os estudantes. Essa proposta de usar a internet não alcança uma parcela importante de alunos e de professores que não contam com acesso à internet. Tem escolas no campo em que 80% dos alunos não têm acesso à internet. E pela televisão, quem tem mais de um filho não tem como acompanhar tudo.  O próprio governo indica que esses alunos sem acesso à internet precisarão ir a cada 15 dias na escola para receber material impresso e só depois apresentar os trabalhos e isso já é uma desigualdade", diz o presidente da APP.

A secretária Educacional da APP-Sindicato, professora Taís Mendes, explica que o sindicato se posicionou contra a proposta de EaD e defende a reposição das aulas com a interação presencial entre estudantes e professores, após o fim do isolamento social. “A imensa maioria de nossos professores não teve formação em educação a distância. Nossas escolas não estão organizadas e preparadas para realizar um planejamento em EaD. Como as nossas escolas vão orientar nossos estudantes? A imensa maioria dos estudantes não têm recursos necessários para realizar as atividades a distância”, diz ela.

De acordo com Taís Mendes, a deliberação do Conselho Estadual de Educação do Paraná sobre o EaD prevê que a implantação dessa modalidade de ensino durante a pandemia precisa da autorização dos diretores de cada escola. “Neste sentido, nós orientamos que a comunidade escolar também se manifeste e recuse essa proposta”, disse.

Dois professores ouvidos pela reportagem do Bem Paraná disseram que está muito complicado dar aula pelo aplicativo. "Professores e alunos estão perdidos. Nós temos que usar aulas de outros professores e as turmas não estão todas no mesmo conteúdo. Também temos que perder tempo para entender o aplicativo. Eu tenho perdido mais tempo para preparar e dar as aulas e com um resultado infinitamente inferior", afirma o professor de Geografia. Outro docente conta que ele não tem um aparelho celular que que suporte o aplicativo, que trava constantemente: "Tive que emprestar um aparelho da minha filha e nesta semana acho que não houve avanço no aprendizado. Alunos que acompanham pela televisão reclamaram que por terem irmãos cada um vai acompanhar um dia de aula. Está muito confuso". 

A assessoria de imprensa da Secretaria Estadual de Educação e Esporte (SEED) foi consultada pela reportagem do Bem Paraná, mas até as 17h30 não respondeu. Assim que enviar as respostas, a matéria será atualizada.

Aplicativo também gera denúncia e rejeição dos usuários

No primeiro dia de funcionamento do ensino a distância, na segunda (6), estudantes foram expostos a mensagens de pornografia e chamamento para suicídio coletivo no aplicativo Aula Paraná. A situação, registrada no aplicativo Aula Paraná, deixou pais e mães indignados e foi denunciada no Ministério Público de Londrina
A Secretaria de Educação informou à reportagem do Bem Paraná que foi realizada uma atualização no aplicativo Aula Paraná de forma a possibilitar que o estudante somente utilize o chat da turma à qual ele está vinculado, durante o horário das aulas e com a presença do professor moderador. O aplicativo ainda está em fase de finalização e a Seed vai divulgar quando a ferramenta começar a ser usada oficialmente. Sobre o caso do aluno de Londrina, foram tomadas todas as providências cabíveis em relação ao episódio. Representantes do Núcleo Regional de Educação e da escola na qual ele está matriculado se reuniram com a família, sendo o encontro registrado em ata. A Secretaria Municipal de Saúde de Londrina também foi acionada, para verificar a possibilidade de o jovem ser encaminhado para tratamento em Centro de Atenção Psicossocial
Disponível para sistemas Android e IOS, o aplicativo registra altas taxas de reprovação, na avaliação dos estudantes que baixaram o programa. Na loja Play Store (Android), a nota do Aula Paraná é 1,6. Na Apple Store (IOS) a média é ainda mais baixa, 1,5. Os dados foram coletados na tarde desta terça (7).
Nos comentários registrados nas plataformas, os usuários justificam as notas. Alguns criticam que não conseguem fazer o login e que acham o aplicativo confuso. Outros relatam que a proposta do governo exclui muitos estudantes que não têm os recursos tecnológicos para ensino a distância. Apesar do aplicativo ser gratuito, o estudante precisa ter internet móvel ou banda larga para baixar e fazer a instalação, mas, segundo a APP, o governo não explicou como os estudantes que não têm internet vão fazer isso. Segundo pesquisa do Comitê Gestor da Internet (CGI.br), 33% dos lares brasileiros não têm acesso a internet.
Para a usuária que se identificou como Ana Clara Grama, o projeto do governo “não vai dar certo!”. “Cara, não tem como isso dar certo, tem muita gente que não tem acesso à internet ou um bom aparelho para poder baixar o app, é triste ver que estão escolhendo quem vai estudar e quem não durante esta crise, pq o governo tem total ciência de que nem todos os paranaenses têm as necessidades básicas de tecnologia para ter acesso a esse tipo de estudo”, escreveu. Para LczBlack Official, além das falhas no aplicativo, a preocupação também é com o aprendizado. “Um aplicativo completamente inútil onde ngm vai aprender absolutamente nada, se o Aluno mal aprendia na escola imagina fora dela, isso é uma perda de tempo, sem contar que tem falhas nesse aplicativo, erros que simplesmente poderiam ser corrigidos, porém até isso os desenvolvedores tem preguiça de corrigir. Lamentável”, escreveu.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES