Em cúpula, Georgieva insta G20 a continuar apoiando os países mais pobres

Em discurso durante cúpula virtual do G20, a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, exortou o grupo a continuar apoiando as economias mais vulneráveis no processo de recuperação da crise provocada pelo coronavírus. "Agradeci ao G20 por seu apoio ao FMI, que nos permitiu entregar mais de US$ 100 bilhões em novos financiamentos a 82 países e alívio do serviço da dívida para nossos membros mais pobres", afirmou.

No encontro, Georgieva elogiou a decisão das nações de estender até julho de 2021 o programa de suspensão do pagamento de dívidas para governos de menor renda (DSSI, na sigla em inglês). Segundo ela, a medida forneceu aos participantes "espaço para respiro temporário" e ajudará na redução sustentável de déficits fiscais.

A economista búlgara também recomendou que a comunidade internacional trabalhe para garantir a distribuição equitativa de uma vacina contra o coronavírus, quando ela estiver disponível. "Se fizermos isso, o Fundo estima que poderemos adicionar quase US$ 9 trilhões à renda global até 2025", ressaltou.

Georgieva defendeu ainda que autoridades globais evitem retirar iniciativas de alívio fiscal de forma prematura. "Agora também é hora de se preparar para um impulso sincronizado de investimento em infraestrutura verde e digital para revigorar o crescimento, limitar cicatrizes e atender às metas climáticas. Se os países do G20 agirem juntos, eles podem conseguir dois terços a mais com o mesmo custo do que se cada país agir sozinho", pontuou.