Em resposta à Otan, Rússia não descarta enviar militares para Cuba e Venezuela

A Rússia elevou o tom novamente em sua disputa com o Ocidente sobre a Ucrânia nesta quinta-feira, 13, com um importante diplomata se recusando a descartar o envio de um destacamento militar russo para Cuba e Venezuela se as tensões com os Estados Unidos aumentarem.

O vice-chanceler Sergei Ryabkov, que liderou a delegação russa nas conversas de segunda-feira, 10, com os EUA em Genebra, disse não poder "nem confirmar, nem excluir" a possibilidade de a Rússia enviar recursos militares para Cuba e Venezuela se as negociações falharem e a pressão dos EUA sobre a Rússia aumentar.

As negociações entre Rússia e EUA em Genebra e uma reunião subsequente entre a Otan e os russos não conseguiram diminuir a tensão nas demandas de segurança de Moscou em meio ao acúmulo de tropas russas perto da Ucrânia. Enquanto Moscou exigia a suspensão da expansão da Otan para o leste, Washington e seus aliados rejeitaram firmemente a opção.

Falando em entrevista à TV russa RTVI, Ryabkov observou que "tudo depende da ação de nossos colegas dos EUA", apontando para o aviso do presidente russo, Vladimir Putin, de que Moscou poderia tomar medidas "técnico-militares" se os EUA provocarem o Kremlin.

Expressando preocupação de que a Otan possa potencialmente usar o território ucraniano para a implementação de mísseis capazes de atingir Moscou em apenas cinco minutos, Putin observou que navios de guerra russos armados com o mais recente míssil de cruzeiro hipersônico Zircon dariam à Rússia uma capacidade semelhante se posicionados em águas neutras.

O Zircon, que Putin disse voar a nove vezes a velocidade do som a uma distância de mais de 1.000 quilômetros, é difícil de interceptar e pode ser equipado com ogivas convencionais ou nucleares. Ele deve ser encomendado pela marinha russa no final deste ano e instalado a bordo de suas fragatas e submarinos.

Nova crise dos mísseis

A declaração de Ryabkov seguiu seus comentários no mês passado comparando as atuais tensões sobre a Ucrânia com a crise dos mísseis cubanos de 1962 - quando a União Soviética enviou mísseis para Cuba e os EUA impuseram um bloqueio naval da ilha. Essa crise terminou depois que o presidente dos EUA, John Kennedy, e o líder soviético Nikita Khrushchev, concordaram que Moscou retiraria seus mísseis em troca da promessa de Washington de não invadir Cuba e da remoção dos mísseis dos EUA da Turquia.

Logo após sua primeira eleição em 2000, Putin ordenou o fechamento de uma instalação de vigilância militar construída pelos soviéticos em Cuba, enquanto buscava melhorar os laços com Washington. Moscou intensificou os contatos com Cuba nos últimos anos, à medida que as tensões com os EUA e seus aliados aumentaram.

Em dezembro de 2018, a Rússia despachou brevemente um par de seus bombardeiros Tu-160 com capacidade nuclear para a Venezuela em uma demonstração de apoio ao presidente venezuelano Nicolás Maduro em meio à pressão ocidental.

Ryabkov disse que a recusa dos EUA e seus aliados em considerar a principal demanda russa por garantias contra a expansão da aliança para a Ucrânia e outras nações ex-soviéticas torna difícil discutir questões como controle de armas e medidas de construção de confiança que Washington diz estar pronta para negociar.

O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, também descreveu as negociações desta semana como "fracassadas", embora tenha notado "alguns elementos e nuances positivos". "As conversas foram iniciadas para receber respostas específicas às principais questões concretas que foram levantadas, e as divergências permaneceram sobre essas questões principais, o que é ruim", disse ele em teleconferência com repórteres.

Peskov alertou para uma ruptura completa nas relações EUA-Rússia se as sanções propostas contra Putin e outros líderes civis e militares forem adotadas. As medidas, propostas pelos democratas do Senado, também teriam como alvo as principais instituições financeiras russas se Moscou enviar tropas para a Ucrânia.

"Trata-se de sanções, que, tendo em conta a inevitável resposta adequada, equivalem efetivamente a uma iniciativa de ruptura das relações", alertou, acrescentando que a Rússia responderá na mesma moeda.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, também denunciou as sanções propostas como um reflexo da "arrogância" dos EUA, acrescentando que Moscou espera uma resposta por escrito às suas demandas dos EUA e da Otan na próxima semana para ponderar outras medidas.

Invasão da Ucrânia

As negociações acontecem no momento em que cerca de 100.000 soldados russos com tanques e outras armas pesadas estão concentrados perto da fronteira leste da Ucrânia. A Rússia rejeitou as preocupações de que estava se preparando para uma invasão e, por sua vez, acusou o Ocidente de ameaçar sua segurança ao posicionar pessoal e equipamentos militares na Europa Central e Oriental.

Peskov rejeitou os pedidos do Ocidente por uma retirada das tropas russas de áreas próximas à Ucrânia. "Dificilmente a Otan vai nos ditar para onde devemos mover nossas Forças Armadas em território russo", disse ele.

As tensões que giram em torno das demandas da Ucrânia e da Rússia ao Ocidente novamente apareceram na mesa na reunião de quinta-feira da Organização para Segurança e Cooperação em Viena (OSCE).

O ministro das Relações Exteriores da Polônia, Zbigniew Rau, que assumiu o cargo de presidente em exercício da OSCE, observou em seu discurso de abertura que "o risco de guerra na área da OSCE é agora maior do que nunca nos últimos 30 anos". "Durante várias semanas, enfrentamos a possibilidade de uma grande escalada militar na Europa Oriental", disse ele.

Em 2014, a Rússia anexou a península da Crimeia da Ucrânia após a deposição de seu líder, aliado de Moscou, e começou a fomentar uma insurgência separatista no leste do país, onde mais de 14.000 pessoas foram mortas em mais de sete anos de combates.

As tensões sobre a Ucrânia também figuraram no topo da agenda de uma reunião de ministros das Relações Exteriores da União Europeia em Brest, na França. O ministro das Relações Exteriores da Dinamarca, Jeppe Kofod, disse que é importante "para Putin entender que as ameaças militares, o jogo que ele está jogando, a maneira como ele está tentando nos levar de volta aos dias mais sombrios da Guerra Fria, é totalmente inaceitável".

O chefe de política externa da UE, Josep Borrell, reiterou que "qualquer agressão adicional contra a Ucrânia terá consequências enormes e custos severos para a Rússia", dizendo que o bloco de 27 países está fornecendo 31 milhões de euros (US$ 35,5 milhões) em assistência logística à Ucrânia. exército e está se preparando para enviar uma missão para ajudar o país a combater ataques cibernéticos. (COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)