Publicidade
Educação

Escolas recebem última parcela deste ano do Fundo Rotativo

Escolas recebem última parcela deste ano do Fundo Rotativo
Em 2018, os valores para o programa dobraram, chegando a cerca de R$ 140 milhões (Foto: Hedeson Alves/divulgação/AEN)

As mais de 2,1 mil escolas estaduais receberam nessa sexta-feira (7) a última parcela deste ano do Fundo Rotativo. O Governo do Paraná depositou mais de R$ 7,7 milhões em recursos que servem para auxiliar na gestão das instituições.

Em 2018, os valores para o programa dobraram, chegando a cerca de R$ 140 milhões em investimentos para atender as demandas diárias das escolas e contribuir para a qualidade de ensino.

Cota consumo - O depósito desta sexta-feira corresponde à décima parcela da cota consumo, destinada à aquisição de materiais de limpeza, expediente, didático, esportivo, gás, lâmpadas, por exemplo. Durante o ano foram repassados R$ 80 milhões para as escolas pela cota consumo.

Outros R$ 32 milhões chegaram com quatro cotas serviço, que devem ser utilizadas para pequenos reparos, como a limpeza da caixa de água, instalação elétrica e hidráulica, entre outros serviços emergenciais. Cerca de R$ 1,4 milhão foi transferido por cota extra para aquisição de material permanente.

Cota especial - Por meio de cota especial, as escolas receberam quase 30 milhões. Mais da metade para o projeto Pintando nas Férias. Cada uma das 2.146 unidades da rede estadual recebeu, antes do início do recesso de julho deste ano, R$ 8 mil para aquisição de materiais de pintura e pequenos reparos. Pela cota especial foram repassados, ainda, mais de R$ 10 milhões para atender ações dos programas Conectados 2.0, Escola Conectada e o da merenda escolar.

Agilidade - O Instituto Fundepar é responsável pelo Fundo Rotativo. O programa de repasses direto às instituições de ensino traz agilidade na hora de efetuar reparos ou fazer compras na falta de material de expediente e limpeza. A aplicação dos recursos é feita mediante aprovação e acompanhamento da comunidade escolar. Para receber o dinheiro, as escolas precisam estar com as prestações de conta regularizadas.

DESTAQUES DOS EDITORES