Recorte

Espetáculo Bolacha Maria estréia em Curitiba

O universo surreal e bem humorado do jornalista Manoel Carlos Karam (1947/2007) é o mote principal da peça "Bolacha Maria - um punhado de neve que restou da tempestade".

Fique por dentro da programação.

De fato, Bolacha Maria faz um recorte preciso em vários textos do dramaturgo catarinense, que morou boa parte da vida em Curitiba. Como nos livros de Karam, a peça parte de situações cotidianas onde os personagens contam histórias aparentemente banais que vão se unindo uma a outra. Assim, o que inicialmente parecia sem sentido, aos poucos vai ganhando forma levando o espectador a dar um mergulho num espetáculo com casos curiosos que passam pelo absurdo e pelo lírico com narrativas fantásticas.

A diretora Nadja Naira se sente atraída pelas situações paradoxais existentes nos texto literários do autor. "Apesar de temas universais muitas vezes o Karam aborda personagens, comportamentos e temas regionais. Adaptar esses textos para o palco, dar corpo e voz aos seus narradores e personagens é perceber que tudo se encaixa num jogo-brincadeira que nunca acaba e no qual você pode entrar quando quiser", considera.

A peça Bolacha Maria - um punhado de neve que restou da tempestade reúne no elenco: Alan Raffo, Alexandre Nero, Sol Faganello, Tatiana Blum e Diego Fortes, que além de atuar é diretor da companhia. O projeto é produzido por Michele Menezes e também conta com a participação de Fabianna Pescara e Renata Skrobot (figurinos), Erica Mithiko (cenário), Mônica Infante (preparação corporal), Gabriel Gorosito (preparação vocal) e Beto Bruel (iluminação), parceiro artístico de Karam desde a década de 70, no Grupo de Teatro Margem. O projeto Bolacha Maria, que recebeu como incentivo o Prêmio Myriam Muniz de Teatro, da Funarte, é composto por três etapas: processo de pesquisa sobre a obra do escritor; ciclo de leituras dramáticas e uma montagem teatral, que estréia agora em Curitiba.