Publicidade
Perigo iminente

Estado e município confirmam que são dois os casos suspeitos de coronavírus em Curitiba

(Foto: Reprodução)

Curitiba é uma das três cidades brasileiras com casos suspeitos de coronavírus. Ontem, pela manhã, foi confirmada a primeira suspeita de uma paciente de Belo Horizonte (MG). No começo da noite o Ministério informou que foram notificados, até às 17 horas, outros dois casos suspeitos, em Curitiba e Porto Alegre (RS). E já no meio da noite, as secretarias de saúde do Paraná e de Curitiba confirmaram um segundo caso suspeito na Capital.

Segundo a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), um dos pacientes é um homem de 29 anos e o outro é uma mulher de 23 anos. Ambos estão internados em isolamento, conforme o protocolo do Ministério da Saúde, e com acompanhamento para avaliação médica e realização de exames clínicos e laboratoriais para confirmação ou descarte da suspeita da doença.

O homem veio à Curitiba a trabalho e procurou assistência médica em um hospital privado e segue internado. A mulher é moradora de Curitiba, foi até uma Unidade de Pronto Atendimento e encaminhada para internamento no Hospital das Clínicas. Os dois viajaram à China nos últimos dias e estão em monitoramento.

Os pacientes se enquadraram na atual definição de caso suspeito para nCoV-2019 (o novo coronavírus), estabelecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS), ou seja, apresentaram febre e, pelo menos um sinal ou sintoma respiratório, e viajaram para área de transmissão local nos últimos 14 dias.

As duas secretarias informam que o Paraná não é considerada região em nível elevado de contaminação.

A OMS aumentou o nível de alerta para alto em relação ao risco global do novo coronavírus, por isso, o Ministério da Saúde orienta que viagens para a China devem ser realizadas em casos de extrema necessidade. Com quase três mil casos confirmados e 100 mortes, segundo o boletim da OMS de segunda-feira, todo o território chinês passa a ser considerado área de transmissão ativa da doença.

Desde a última sexta-feira a Secretaria de Estado da Saúde vem adotando medidas de prevenção e cuidados para controle do Novo Coronavírus no Paraná, assim como a Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba.

Barreira
Mais cedo, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, falou sobre a doença e as medidas a serem adotadas no País. “O que muda é o grau de vigilância nessa fase. Aumenta a nossa vigilância de portos e aeroportos, triagem de pacientes, o uso de determinado equipamentos de proteção, mas o nosso foco principal nesta fase é a vigilância”, disse.

“Nessa fase a gente tem um olhar com muito mais atenção para dentro do país, para identificar se o vírus está circulando em território nacional, e outro [olhar] muito presente em informações técnicas e científicas a respeito do comportamento do vírus”, disse Mandetta.
Com estes casos de coronavírus no País o ministério elevou o nível de atenção para alerta de perigo iminente para a presença do vírus no país.

Coletiva
Na manhã de hoje, às 10 horas, a secretária da Saúde de Curitiba, Márcia Huçulak, o secretário estadual da Saúde, Beto Preto, e representantes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, explicam a situação de casos suspeitos na Capital.


Sintomas da coronavírus

  • Os sintomas podem parecer como o de uma gripe ou resfriado comum, o que dificulta o diagnóstico, por isso, é importante que quem esteve em viagem recente para a região de início de circulação do vírus, a China, comunique aos profissionais de saúde
  • “Informar a possibilidade de exposição ao vírus é fundamental para a avaliação do caso, uma vez que são sintomas semelhantes a outras doenças respiratórias”, explica o diretor do Centro de Epidemiologia da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), Alcides Oliveira
  • Os sinais comuns da infecção incluem sintomas respiratórios, febre, tosse e dificuldade para respirar. Nos casos mais severos, a infecção pode evoluir para pneumonia, síndrome respiratória aguda grave e até óbito
  • Segundo autoridades chinesas, muitos dos pacientes diagnosticados inicialmente tiveram alguma ligação com um grande mercado de frutos do mar e animais vivos, sugerindo disseminação de animais para pessoas
  • Mas com a crescente confirmação de casos, conclui-se que a transmissão agora é de pessoa para pessoa. O coronavírus pode ser transmitido de forma semelhante à influenza ou outros vírus respiratórios, pelas gotículas respiratórias, por tosses e espirros em curta distância, ou contato com objetos contaminados pelo vírus
  • Não há tratamento antiviral específico recomendado para a infecção 2019-nCoV. As pessoas infectadas com 2019-nCoV devem receber cuidados de suporte para ajudar a aliviar os sintomas

Confira dicas de prevenção (que são as mesmas para a influenza)

  • Lavar as mãos com frequência, ou utilizar álcool 70%, principalmente antes de consumir algum alimento
  • Utilizar lenço descartável para higiene nasal
  • Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir
  • Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca, higienizar as mãos após tossir ou espirrar
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas
  • Manter ambientes bem ventilados, evitar contato próximo com pessoas que apresentem sinais ou sintomas da doença
  • Evitar contato próximo com animais selvagens e animais doentes em fazendas ou criações
  • Pessoas com sintomas de infecção respiratória aguda devem praticar etiqueta respiratória (cobrir a boca e nariz ao tossir e espirrar, preferencialmente com lenços descartáveis e após lavar as mãos)
Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES