Pandemia

Paraná firma pacto com municípios para acelerar o ritmo da vacinação contra a Covid-19

(Foto: José Fernando Ogura/AEN)

O Governo do Estado firmou um pacto com os municípios para acelerar o ritmo da vacinação contra a Covid-19 no Paraná. Em reunião virtual nesta sexta-feira (11) com os chefes das 22 Regionais de Saúde, o governador Carlos Massa Ratinho Junior cobrou a execução de ações uniformes que possam diminuir o tempo entre a distribuição do imunizante por parte da Secretaria de Estado da Saúde e a aplicação na população.

Ratinho Junior solicitou que os núcleos informem diariamente o número de vacinas aplicadas e também em estoque, município por município. “É o momento de dialogar com as cidades para fazer com que a população seja rapidamente vacinada, entender as necessidades e os problemas de cada uma. Se recebemos seis milhões de doses, temos de aplicar seis milhões de doses”, destacou o governador. 

“Não podemos deixar passar o fim de semana, sábado, domingo, feriado. O momento é de realizar uma força-tarefa para vencermos logo essa pandemia. A velocidade da vacinação está frustrante diante das equipes e condições que nós temos”, acrescentou ele, reforçando que a meta é proteger toda a população adulta do Estado, estimada em 8.736.014 pessoas, até o fim deste ano.

Levantamento da Secretaria da Saúde aponta para uma diferença de pouco mais de 1 milhão de doses entre o estoque encaminhado às cidades e o que efetivamente foi usado na proteção dos paranaenses. De acordo com o Vacinômetro do Sistema Único de Saúde (SUS) (https://localizasus.saude.gov.br/), vinculado ao Ministério da Saúde e abastecido pelos próprios municípios, o Paraná aplicou até a manhã desta sexta-feira 4.295.579 vacinas anticoronavírus – 3.042.432 primeiras doses e 1.253.147 segundas doses. No entanto, foram distribuídas 5.692.880 doses de imunizantes.

Parte deste hiato se deve à reserva técnica de 10% (cerca de 600 mil doses) que fica armazenada no Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar), em Curitiba, atendendo a uma orientação prevista pelo Plano Nacional de Imunização (PNI). O restante se deve às estratégias de aplicação adotadas pelas secretarias municipais de saúde.

“Núcleo a núcleo, precisamos e vamos recuperar a velocidade da vacinação. Fazer com que as vacinas saiam rapidamente das geladeiras e cheguem aos braços dos cidadãos do Paraná”, disse o secretário estadual da Saúde, Beto Preto. “A prevenção se dá por meio da vacinação, e não podemos admitir que quase um milhão de doses não tenham sido aplicadas ou não tenham sido devidamente informadas pelos municípios”, afirmou o secretário.

CONVOCAÇÃO – O secretário explicou que como parte da estratégia para garantir mais agilidade ao processo, parte dos cerca de 1.500 colaboradores da Secretaria estadual da Saúde que estão em regime de teletrabalho serão reconvocados a partir da próxima semana para voltarem ao modelo presencial. “Vamos chamar aqueles que já foram imunizados. Precisamos de todos em nome da vacinação”, disse.

Ele ainda orientou as regionais a avançarem dentro dos grupos prioritários e também a diminuírem a faixa etária da aplicação na população em geral conforme a disponibilidade de doses. Lembrou que os municípios estão autorizados neste momento a vacinar pessoas com idade variando entre 40 e 59 anos, conforme o calendário individual de cada cidade. "Precisamos diminuir gradativamente a idade para dar uma perspectiva de vacinação, um alento para o cidadão”, afirmou Beto Preto.

MUNICÍPIOS – Entre os municípios que mais aplicaram doses em números absolutos, também de acordo com o Vacinômetro do SUS, estão Curitiba, com 788.550 vacinas, seguido por Maringá (234.632), Londrina (234.456), São José dos Pinhais (123.350), Cascavel (122.688) e Foz do Iguaçu (99.444).

MAIS DOSES – Nesta semana, o Estado recebeu mais 145 mil doses de vacinas da Pfizer/BioNTech e 238 mil doses da AstraZeneca/Oxford/Fiocruz, compondo a 23ª pauta de distribuição do Ministério da Saúde.

As doses são destinadas aos grupos de pessoas com comorbidades e deficiência permanente, gestantes e puérperas, trabalhadores do ensino básico, forças de segurança e salvamento e forças armadas, povos e comunidades tradicionais ribeirinhos, trabalhadores da assistência social, trabalhadores portuários, trabalhadores do transporte aéreo, e trabalhadores do ensino superior.

Com a nova remessa, o Paraná ultrapassa as seis milhões de doses recebidas. Também é esperada, para esta sexta-feira (11), a chegada de uma nova vacina: a Janssen, fabricada pelo braço farmacêutico da Johnson & Johnson. A vacina, aplicada em dose única, será destinada prioritariamente ao grupo de trabalhadores da carga pesada e moradores de rua.