Atendimento

Estado repassa mais R$ 9 milhões para o Hospital da Criança de Maringá

Maringá, no Noroeste do Paraná, vai ganhar um espaço da saúde dedicado exclusivamente para os pequenos pacientes. O Governo do Estado repassou nesta sexta-feira (18), em transferência formalizada pelo vice-governador Darci Piana, a última parcela do termo de cooperação mútua com o município para a conclusão do Hospital da Criança.

Com o novo repasse, no valor de R$ 9 milhões, o investimento total na obra chega a R$ 153 milhões. Deste montante, R$ 124,2 milhões (81%) são oriundos de transferências da Secretaria de Estado da Saúde e de convênios com o Governo Federal. A Organização Mundial da Família (OMF) participou do projeto com outros US$ 10 milhões.

De acordo com a Secretaria da Saúde, a estimativa é que o complexo possa beneficiar mais de 4 milhões de habitantes em um raio de 115 cidades. “O Estado tem a preocupação de cuidar da saúde do povo do Paraná. Uma cidade polo do tamanho de Maringá não pode ficar de fora. São recursos importantes para um hospital que vai atender a muitos pacientes paranaenses", destacou Darci Piana. “Um hospital moderno e completo para cuidar de todas as crianças da região”, acrescentou.

O centro médico infantil começou a sair do papel em fevereiro de 2019 e tem atualmente índice de conclusão de 80%. A expectativa é que a parte de edificação seja concluída até novembro. Em seguida, haverá uma série de treinamentos antes da inauguração, prevista para ocorrer no primeiro trimestre de 2021.

CONQUISTA

São 23 mil metros quadrados de área construída que vão formar o Hospital da Criança de Maringá. O complexo médico contará com 13 blocos, 40 leitos de UTI nas alas pediátrica e neonatal, 124 leitos de internação, centro cirúrgico, um hospital-dia, um centro de especialidades, duas recepções, laboratório, centro de imagens e uma ala de ensino e pesquisa.

“O Hospital da Criança de Maringá é uma conquista do Paraná. Sem dúvida um momento muito especial para o Estado”, afirmou o vice-governador. Piana reforçou a opção do Governo do Estado pela regionalização do atendimento na área da saúde.

Ele citou como exemplo desta política as recentes inaugurações dos hospitais de Telêmaco Borba, Guarapuava e Ivaiporã. “Podemos atender as pessoas mais rapidamente, próximo às suas casas, atendendo a proposta do governador Carlos Massa Ratinho Junior. No caso de Maringá, é um amparo muito grande para as famílias”, disse.

ESTRUTURA

A estrutura básica do Hospital da Criança é dividida entre recepção geral (espelhada), hospital-dia e centro de especialidades, que são os primeiros blocos perto da guarita e do estacionamento, e a ala de internação, cirurgia, pesquisa e o prédio administrativo, que são os blocos conectados ao corredor principal.

Um dos diferenciais é a decoração das alas de internação, desenhadas como duplas conectadas a um símbolo turístico do Paraná: João e Maria (Cataratas do Iguaçu), Pedro e Júlia (agricultura), Tonico e Joana (araucárias) e Gabriel e Rosa (Parque de Vila Velha). Adesivos coloridos ajudarão na comunicação visual, tornando o espaço mais lúdico para o atendimento de crianças.

O hospital-dia terá 12 leitos e espaços para tratamento de hemodiálise, recuperação pós-anestésica, três salas de pequenas cirurgias, quimioterapia, sala de infusão (vacina) e anestesia. Já o centro de especialidades contará com consultório odontológico e outras 28 salas dedicadas a atendimentos diversos em dermatologia, cardiologia, oftalmologia, fonoaudiologia, psiquiatria, entre outros.

Além disso, o projeto do complexo apresenta farmácia, laboratório, centro de imagem, ala de ensino e pesquisa e recepção da internação, refeitório, vestiário, lavanderia e almoxarifado. “É um avanço de Maringá e do Paraná. Um equipamento capaz de tratar as doenças, inclusive aquelas mais raras”, disse o secretário municipal da Saúde, Jair Biato.

O laboratório, por exemplo, terá alas para pesquisa em biologia molecular, hematologia, micologia, virologia, parasitologia, citologia, macroscopia, microscopia, sala de laudos e necropsia. O Centro de Imagens incluirá ressonância, endoscopia, tomografia, raio-x, sala de laudos, fonoaudiologia, recuperação, eletrocardiograma, ecocardiografia, ecografia, eletromiografia, pneumologia, alérgicos, eletroterapia e sinisioterapia.

“O hospital virá com todos os equipamentos necessários. Economizamos para poder terminar essa obra e entregar um equipamento de alta complexidade para atender toda a Região Noroeste e Norte do Estado”, ressaltou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto. “O hospital tem o nome de Maringá, mas é macrorregional e vai oferecer diferentes especialidades para diversas cidades, inclusive aquelas mais complexas”, completou.

ENSINO E PESQUISA

A ala de ensino e pesquisa vai abrigar biblioteca, duas salas de aula, auditório e sala de simulação realística. A recepção de internação terá um piano, brinquedoteca e um espaço ecumênico. Há, também, dois blocos de internação, as UTIs neonatal e pediátrica e um centro cirúrgico com quatro salas. “Maringá é um polo universitário e esse hospital vai oferecer um campo imenso para ensino e pesquisa", ressaltou Beto Preto.

PRESENÇAS

Participaram da cerimônia de inauguração o diretor-presidente da Paraná Turismo, João Jacob Mehl; os deputados estaduais Evandro Araújo e Soldado Adriano José; o secretário municipal de Obras, Albari de Medeiros; a presidente da Unapmif, Viviane Weingärtner; presidente da Associação dos Amigos do Hospital da Criança, Gabriela Camargo Santos; a gerente do projeto, Suelen Amorim; a consultora do projeto, Ruth Túlio; a engenheira responsável pela obra, Camile Stefel; além de lideranças políticas e empresariais da região.


Hospital da Criança é o maio projeto da OMF no País

O Hospital da Criança de Maringá é a 12ª obra inaugurada e o maior projeto da OMF no País. A organização é representada na América Latina pela Unapmif e investiu US$ 10 milhões no projeto.

Criada em 1994, a Unapmif tem status consultivo da Organização das Nações Unidas (ONU) e, sob orientação da OMF, tem como princípio promover a dignidade humana. A entidade, com sede em Curitiba, aglutinou diversas associações isoladas de proteção da infância, maternidade e família e desenvolve programas de promoção social, de saúde e de educação.

É uma entidade privada, de caráter filantrópico e sem fins lucrativos. As ações na área da saúde e da família ajudam países da América Latina a atingir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), que devem ser cumpridos até 31 de dezembro de 2030. No Paraná são 299 associações com esse caráter, auxiliadas pela Unapmif. A entidade tem um braço de Consultoria e Projetos que apoia os municípios de todo o País.

“A Organização Mundial da Saúde já fez mais de 2 mil projetos deste tipo no mundo. Fico feliz em poder, como brasileira, concluir algo no meu País”, afirmou a presidente da OMF, Deise Kuztra. “O Governo do Estado se empenhou muito para que obra realmente seja concluída”.