Levantamento

Estrangeiros injetaram R$ 7 bilhões no país via turismo em 2013

Os estrangeiros que visitaram o Brasil este ano injetaram quase US$ 3,5 bilhões na economia brasileira em 20013. O valor equivale a R$ 7 bilhões pela cotação média do dólar este ano. O resultado foi divulgado, nesta terça-feira (23), pelo Banco Central. Com isso, houve crescimento de 9,6% em relação ao mesmo volume de reais deixados na economia brasileira por turistas estrangeiros no primeiro semestre do ano passado.

Obviamente, a realização da Copa das Confederações no mês de junho contribuiu para acentuar essa curva ascendente, avalia o presidente da Embratur, Flávio Dino. Já estávamos batendo o recorde se considerarmos os resultados até maio, mas, com certeza, a Copa das Confederações contribuiu muito nesse caminho, não só pelos dólares que entram nos dias de jogos, mas pela visibilidade que o país ganha.

Para Dino, o bom desempenho deve se repetir em julho, quando serão contabilizadas as divisas deixadas pelos estrangeiros que estão no país para a Jornada Mundial da Juventude. É um evento com um público que gasta menos, mas, seu caráter massivo faz com que tenha um impacto muito grande na economia, avalia. Estudo realizado pela Embratur estima que o evento movimentará, considerando gasto de turistas e efeitos indiretos, R$ 1,2 bilhão.

Resultados do câmbio

De janeiro a junho, os estrangeiros deixaram R$ 7,049 bilhões no país. O resultado é 9,6% maior que o do mesmo período do ano passado. Em 2012, a entrada de divisas pelo turismo foi de US$ 6,645 ou R$ 12,9 bilhões pela cotação média. Este ano, o Brasil deve bater recorde de divisas, uma das variáveis usadas para medir o sucesso de um país no turismo internacional.

Desde 2003, quando a Embratur passou a cuidar exclusivamente da promoção turística do país no exterior, a entrada de divisas vem crescendo. Em 2002, eram US$ 1,998 bilhão, ou R$ 5,981, pela cotação média. No ano passado, os estrangeiros que visitaram nosso país deixaram US$ US$ 6,645 ou R$ 12,9 bilhões. Um crescimento de mais de 200%, em dólares, ou 100%, em reais.

Assuntos