Publicidade
Insatisfação

Estudo mostra que obsessão por corpo perfeito surge por influência de imagens expostas na mídia

Estudo mostra que obsessão por corpo perfeito surge por influência de imagens expostas na mídia
(Foto: Pixabay)

Toda vez que você vê fotos de musas fitness no Instagram e de modelos magérrimas nas páginas das revistas, se sente insatisfeita com seu corpo? Pois, além de você não ser a única pessoa a se sentir desta forma, visualizar estas imagens ainda pode fazer mal à saúde. Um estudo recente realizado por um grupo de pesquisadores da Universidade de Bristol, no Reino Unido, descobriu que, há efeitos na própria percepção e satisfação corporal de acordo com o peso das pessoas que são expostas na mídia, especialmente nas mulheres. Isso significa que, quanto mais a mídia insiste em exibir corpos magérrimos como padrão de beleza, maior é o número de pessoas que desenvolvem transtornos alimentares.

Para chegar ao resultado, a pesquisa foi realizada com dois grupos separados. No primeiro, 90 mulheres entre 18 e 25 anos com IMC (Índice de Massa Corporal) normal foram divididas aleatoriamente em três para completar, em 15 minutos, uma tarefa usando fotografias de mulheres com "peso normal" (IMC 22-23 kg por m²), ou alteradas para aparentar estar abaixo ou acima do peso.

O segundo foi idêntico, exceto que as 90 participantes apresentaram alta insatisfação corporal e elas foram avaliadas após 24 horas. Também foi realizada uma mega-análise combinando os dois grupos da pesquisa. As participantes avaliaram o tamanho dos corpos das outras, o próprio e sua satisfação com sua própria aparência antes e depois da tarefa.

As avaliações pós-tarefa foram comparadas entre os grupos, ajustando as classificações realizadas antes da tarefa. Participantes expostas a imagens com peso excessivo ou normal, perceberam os corpos das outras menores em comparação com aquelas mostrados abaixo do peso corporal. Elas também perceberam seus próprios corpos menores e se sentiram mais satisfeitas com seu corpo.

Este estudo sugere que um movimento da mídia no sentido de usar imagens de mulheres com um IMC na faixa saudável pode ajudar a reduzir a insatisfação corporal e o risco associado a transtornos alimentares.

De acordo com médico cirurgião plástico, Victor Cutait, o resultado do estudo pode ser facilmente compreendido com a questão corpo x autoestima. "A partir do momento em que as mulheres passam a ter uma beleza real como referência, o nível de cobrança consigo mesmas diminui. Elas percebem que não precisam ser magérrimas com corpos esculturais e que é permitido serem simples mortais, por isso se sentem mais felizes com seus corpos, exatamente como devem ser".

O Brasil é o segundo país no mundo que mais realiza cirurgias plásticas no mundo, perdendo apenas para os Estados Unidos. Cutait acredita que, caso a mídia como um todo passasse a utilizar imagens de 'mulheres reais', os procedimentos estéticos desnecessários também diminuiriam drasticamente.

'A beleza não é um padrão, as pessoas precisam respeitar o seu próprio padrão, sua genética, não adianta querer ser o que não é, pois nenhum cirurgião plástico conseguirá fazer isso. A pessoa pode ser bonita sim sendo o que é. A cirurgia plástica não deve ser feita para se alcançar algo imposto pela sociedade, pelo marido, pelas amigas. É preciso fazer para satisfazer a si mesmo. Só assim a cirurgia é recomendada', diz o médico.

A insatisfação corporal é um fator de risco para transtornos alimentares e, por isso, alterar a percepção sobre a aparência pode ser usado como uma forma de reduzir a insatisfação corporal e suas consequências negativas.

Victor Cutait é médico cirurgião plástico e apresenta o Canal Energia da Beleza no Youtube: http://bit.ly/2yOzYu8

Link da pesquisa (em inglês): http://bit.ly/2IDeBMa

DESTAQUES DOS EDITORES