Relatório

Excesso de velocidade e álcool são as principais causas de morte no trânsito de Curitiba

Carro destruído chama a atenção para os acidentes
Carro destruído chama a atenção para os acidentes (Foto: Franklin de Freitas/Arquivo BP)

A velocidade inadequada praticada pelos motoristas e o fator álcool na direção contribuiram para grande parte das 169 mortes registradas no trânsito de Curitiba no ano de 2019. A análise, feita pela comissão de análise de dados do Programa Vida no Trânsito (PVT), mostra que eles foram os principais fatores que levaram aos acidentes fatais em Curitiba.

O relatório comprovou ainda que o desrespeito à sinalização foi a principal conduta entre os motoristas envolvidos nos acidentes com morte daquele ano.

Dados preliminares de 2020 apontam para a mesma evidência. Entre os anos de 2012 e 2019, a velocidade excessiva ou inadequada foi apontada como fator contributivo em aproximadamente um quarto dos acidentes.

Um carro viajando a 50 km/h precisa de 13 metros para parar enquanto um carro viajando a 40km/h pode parar por menos de 8,5 metros.

Um aumento de velocidade de 1 km/h leva a um aumento médio de 3% do risco de se envolver em um acidente causando lesões e um acréscimo de 4% a 5% do risco de se envolver em uma ocorrência fatal.

Estes indicadores são um dos motivos que levaram Curitiba a mudar sua velocidade padrão de 60 km/h para 50 km/h.

A Prefeitura de Curitiba deu início a um projeto de padronizar em 50 km/h a velocidade máxima na maior parte das ruas da cidade. A iniciativa não é isolada e vem precedida por experiências em grandes centros urbanos.

Estamos no Maio Amarelo, mês de conscientização no trânsito.