Publicidade

FGV: índice de confiança empresarial sobe 7,3 pontos em julho, diz prévia extra

O Índice de Confiança Empresarial (ICE) ganhou força em julho e subiu 7,3 pontos, para 87,7. O resultado, que considera dados coletados até o dia 14 do mês, foi divulgado nesta quinta-feira, 16, pela Fundação Getulio Vargas (FGV), em prévia extraordinária.

No Índice de Confiança do Consumidor (ICC), o crescimento foi de 4,8 pontos, para 75,9. "Nestes três meses de maio a julho, houve recomposição de 78% das perdas sofridas no bimestre março-abril pelas empresas e de 60% da queda na confiança dos consumidores", afirma Viviane Seda Bittencourt, coordenadora das Sondagens do Ibre/FGV, em nota.

No ICE, a alta foi puxada pela melhora nas expectativas de empresários. O Índice de Expectativas (IE-E) subiu 8 pontos, para 90,4, ainda abaixo da taxa observada em fevereiro (102,6), mas acima do dado de março (87,7). O Índice de Situação Atual (ISA-E) avançou 6,9 pontos, para 79,5. É o maior nível desde abril (61,4), mas ainda inferior ao registrado em março (91,7).

Na confiança do consumidor, o crescimento também foi puxado pela melhora nas expectativas. O IE-C avançou 7,3 pontos, para 80,1, maior nível desde março (83,9). O ISA-C teve crescimento mais moderado, de 0,7 pontos, para 71,3.

Setores

Entre os setores que compõem o ICE, a mais intensa elevação ocorreu na indústria. A confiança do setor cresceu 17,3 pontos, para 94,9. Com o aumento, a confiança industrial já recuperou aproximadamente 85% das perdas registradas entre março e abril.

Em seguida estão serviços, com alta de 4,9 pontos, para 76,6, e a construção, cuja confiança subiu 4,3 pontos, para 81,4. Ambos os setores recuperaram 59% das perdas registradas entre março e abril.

No resultado preliminar, o comércio ficou próximo da estabilidade em julho, com alta de 0,8 ponto. Apesar da alta modesta, o índice de confiança do setor já atingiu os 85,2 pontos, uma recuperação de 62,0% das perdas.

"A velocidade da retomada dependerá cada vez mais dos consumidores, que continuam insatisfeitos com a situação atual e, apesar de mais otimistas com as perspectivas econômicas em geral, se mantêm cautelosos com relação aos gastos de consumo", observa Viviane Bittencourt.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES