Publicidade
Quarentena ‘severa’

Governo refaz decreto e libera conveniências e feiras livres

Apesar dos decretos do Estado e do município, havia muita gente na rua
Apesar dos decretos do Estado e do município, havia muita gente na rua (Foto: Franklin de Freitas)

O Governo do Estado emitiu, ontem, um decreto para atualizar termos do decreto de terça-feira que trata de medidas mais restritivas para conter o avanço da Covid-19 em sete regionais de Saúde: Cascavel, Cianorte, Cornélio Procópio, Região Metropolitana de Curitiba, Londrina, Foz do Iguaçu e Toledo. As medidas devem ser adotadas em 134 municípios do Paraná.

Duas delas retiram as feiras livres da lista atividades suspensas e uma nova redação para o fuwncionamento das lojas conveniências dos postos de combustíveis, que poderão abrir normalmente, dentro dos municípios e nas rodovias, mas sem a comercialização de bebidas alcoólicas.

A principal mudança é em relação ao transporte público. O sistema deverá atender com prioridade os passageiros que trabalhem em serviços considerados essenciais, e com até 65% de capacidade das 5 horas às 8 horas e das 15h30 às 19h30 (horários de pico), e até 55% da capacidade nos demais períodos do dia.

Todas as outras normas continuam valendo até próximo dia 15 de julho. Entre elas estão a suspensão das atividades não essenciais.

O funcionamento de panificadoras/frutarias/mercearias devem se adequar às mesmas regras dos supermercados. Funcionamento das 7h às 21 horas, de segunda a sábado, e fechamento aos domingos. Podem operar com apenas 30% do fluxo de clientes e terão que impedir a entrada de crianças menores de 12 anos.

A fiscalização será realizada pela Secretaria de Segurança Pública, em parceria com as guardas municipais e outras secretarias designadas pelas prefeituras. Haverá multas para infratores, de R$ 106,60 (uma Unidade Padrão Fiscal do Paraná) a R$ 533,00 para pessoas físicas; e entre R$ 2.132,00 a R$ 10.660,00 para pessoas jurídicas. O valor poderá ser dobrado em caso de reincidência.

Movimento
No primeiro dia da “quarentena restritiva” determinada por decretos estadual e municipal, a maioria da lojas do Centro de Curitiba estava fechada, mas o movimento de pessoas nas ruas ainda era praticamente normal. A reportagem do Bem Paraná flagrou algumas lojas abertas, entre elas de acessórios de celular, de eletrônicos e salões de cabeleleiros.

Durante a live de divulgação do boletim da Covid-19, a secretária de Saúde de Curitiba, Márcia Huçulak, reconheceu que ainda havia movimento na cidade, mas creditou isso ao fato do decreto municipal que unificou o decreto estadual saiu tarde da noite na terça-feira.

Supermercados já registravam filas e Associação prevê ‘corrida’ desnecessária

Josianne Ritz

Os supermercados de Curitiba já registravam filas no primeiro dia de quarentena mais restritiva, determinada por decretos estadual e municipal. As novas regras, que valem a princípio por 14 dias, determinam a limitação de 30% da capacidade física das lojas e o fechamento do setor aos domingos. A Associação Paranaense de Supermercados (Apras) teme ‘correria’ com aglomerações principalmente aos sábados e segunda.

A associação acredita no risco de uma ‘’corrida aos supermercados’, como aconteceu no início da pandemia, quando houve temor de desabastecimento e os supermercados ficaram lotados e produtos chegaram a faltar nas prateleiras.

“A experiência adquirida nesta pandemia mostra que a população é extremamente afetada psicologicamente quando existe algum risco de abastecimento. Assim como diversas pessoas correram para os supermercados no início da pandemia para estocar produtos, o fechamento das lojas aos domingos poderá ocasionar uma correria para a população se abastecer, inclusive fazendo muitas pessoas irem às compras sem a real necessidade”, diz a nota, divulgada pela Apras, ontem.

Para a associação, a medida do governo do Estado, que abrange 134 cidades de sete regionais, que concentram 75% dos casos de Covid-19, surtirá um efeito contrário: “Ao invés de garantir o distanciamento social, criará longas filas na parte externa dos estabelecimentos, o que será muito complicado nestes dias em que a previsão é de muita chuva e frio”.

Urbs

Só passageiros sentados
A Urbanização de Curitiba (Urbs) determinou que os ônibus do transporte coletivo da capital circulem somente com lotação de passageiros sentados a partir de hoje. Ao atingir o limite dos bancos, os ônibus só poderão parar para desembarque. À medida que sobrarem assentos, os veículos voltam a receber novos passageiros.
A medida, válida pelos próximos 14 dias, cumpre determinação prevista nos decretos 870/2020 da Prefeitura de Curitiba e 4.942 do Governo do Estado, que estabeleceram regras mais rígidas para o combate à Covid-19.
As empresas que desrespeitarem a regra e transportarem além do limite serão multadas. O sistema opera com 9,5 mil viagens por dia e a multa prevista é de R$ 50 por infração. De acordo com os decretos, somente passageiros que trabalham ou usam serviços essenciais devem utilizar o transporte coletivo nos próximos 14 dias.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES