Publicidade
Contra a reforma da Previdência

Greve Geral une centrais sindicais, mas ônibus não param em Curitiba

Para organizadores, manifestação de hoje pode ser uma das maiores
Para organizadores, manifestação de hoje pode ser uma das maiores (Foto: Valquir Aureliano)

Esta sexta-feira (14) é dia de Greve Geral convocada pelas centrais sindicais brasileiras, em protesto contra o projeto de reforma da Previdência. Segundo os organizadores, o dia de greve deve ter atos em pelo menos 170 cidades brasileiras e todas as capitais. O protesto une as principais centrais sindicais — CUT, CTB, Força Sindical, CGTB, CSB, UGT, Nova Central, CSP-Conlutas e Intersindical. Junto com o protesto contra a reforma, os sindicatos encamparam demandas como os cortes na educação e o não pagamento da data base para algumas categorias.

Em Curitiba, as manifestações estão programadas para desde o início da manhã, quando os metalúrgicos devem realizar atos em frente aos locais de trabalho. Também devem fazer cinco grandes carreatas ao longo da manhã. A partir das 10 horas, acontece a concentração na Praça Nossa Senhora de Salete e depois, às 14 horas, caminhada e ato na Praça Santos Andrade.

No final da tarde são os estudantes que ocupam a frente do prédio histórico da Universidade Federal do Paraná (UFPR) para protestar novamente contra o corte de verbas da universidade.

Entre as categorias que confirmaram que cruzarão os braços ou apoiam os atos estão professores, metalúrgicos, trabalhadores da educação, da saúde, servidores da Justiça, agricultores familiares, servidores públicos federais, estaduais e municipais. Associação de policiais do Estado fazem atos próprios pela data base, mas sem aderir ao dia de Greve Geral.

Motorista e cobradores de ônibus não param

Depois de realizar assembleias diárias desde a segunda-feira (10), os motoristas e cobradores de ônibus de Curitiba e região decidiram não aderir ao dia de Greve Geral, hoje. Segundo o sindicato da categoria (Sindimoc), a maioria dos trabalhadores decidiu pela não adesão, portanto, o transporte segue normalmente.

Apesar da não adesão dos trabalhadores do transporte coletivo, os organizadores dos atos em Curitiba esperam milhares de pessoas nas manifestações, podendo superar os outros protestos contra a reforma realizados em Curitiba, que chegou a reunir mais de 20 mil pessoas.

Na rede de ensino municipal e estadual, os sindicatos que representam os professores também aderiram ao dia de greve. Na rede particular, a recomendação da Federação Nacional é de que as aulas ocorram normalmente nesta sexta-feira.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES