Publicidade
PontoCom

Hackers apostam na agilidade do whatsapp para aplicar golpes

Em janeiro deste ano 2,5 milhões de pessoas foram vítimas de golpes para roubo de informações através do Whatsapp. A isca mais usada pelos cibercriminosos pela ferramenta foram ofertas especiais e processos seletivos de emprego. Os dados são das empresa de segurança digital PSafe.

O resultado desta no segue a tendência já verificada nos últimos meses do ano passado, quando o número de golpes aplicados pelo whastapp apresentou um grande avanço. Segundo a empresa de segurança digital PSafe, o número de ciberataques pelo aplicativo duplicou no fim do último trimestre de 2017.

Para a empresa e seu laboratório de segurança digital, o whatsapp se tornou a ferramenta número um dos hackers no Brasil, com mais de 44 milhões de casos de disseminação de links maliciosos no aplicativo de mensagens instantâneas. O número representa um aumento de 107% em relação ao trimestre anterior, que registrou cerca de 21 milhões de casos.

A empresa explica que os cibercriminosos estão aprimorando as estratégias de engenharia. Eles estariam investindo em meios que tem uma rápida e maciça disseminação de links maliciosos em vez de produzir malwares, que são mais complexos de serem criados e têm menor potencial de viralização.

De acordo com a empresa no Brasil, estes golpes estão se popularizando principalmente pela habilidade dos criminosos em criar sites e links usados como iscas.

Para tentar evitar ser mais uma vítima o melhor é instalar um antivírus e mante-lo sempre atualizado. Além disso, a regra de ouro e sempre desconfiar de ofertas muito vantajosas e quando for verificar alguma, nunca usar o link encaminhado. O mais seguro é sempre digitar o endereço eletrônico da empresa.

IPVA é a isca da vez

A isca da vez é o IPVA. Um golpe está se espalhando pelo WhatApp prometendo isenção do pagamento do IPVA, descrevendo um suposto projeto social do governo federal. A história é falsa. Fiquem atentos.

Bizarrices

20 horas de jogo

Na China, um homem precisou de atendimento médico após passar mais de 20 horas jogando. Segundo as autoridades locais, ele teria jogado sem fazer nenhuma pausa e, por isso, perdeu o controle das pernas O caso aconteceu em Zhejiang, na China, no começo deste ano.

Publicidade

DESTAQUES DOS EDITORES