Haja ouvidos para tanta folia e tanto barulho

Carros alegóricos, bateria de blocos e de escolas de samba, música a todo volume nos bailes de carnaval e nos sistemas de som das festas de rua também podem ser sinônimos de riscos à audição. Folia não pode ser sinônimo de prejuízo à saúde auditiva. O ideal seria que houvesse fiscalização para que o som não superasse 80 decibéis, nível tolerável para o ouvido humano, salienta Paulo Roberto Lazarini, presidente da Sociedade Brasileira de Otologia (SBO).

. Para se ter uma ideia, quem brinca a 50 metros de um trio elétrico está exposto a um ruído de 96 decibéis, e quem fica logo atrás do trio enfrenta um barulho ainda maior, que pode chegar a 120 decibéis, intensidade próxima a de uma turbina de avião. Os integrantes da bateria de uma escola de samba não têm noção mas também estão às voltas com ruídos de até 110 decibéis; lembrando que o ouvido humano suporta bem os sons de até 85 decibéis.

O problema é sempre o exagero, explica o especialista. Segundo ele, as pessoas se habituaram tanto a usar fones de ouvido para ouvir música em dispositivos móveis (celulares, smartphones, tocadores de áudio digital) e em computadores que não percebem imediatamente quando os níveis de ruído ultrapassam determinados limites.

A sugestão de Lazarini é que os foliões evitem ficar próximos a caixas de som. Os riscos seriam menores se os responsáveis pelos eventos tivessem consciência dos malefícios provocados pelo som muito alto. Não é raro que seja superior a 100 decibéis, o que pode ocasionar danos irreversíveis ao ouvido, adverte.

Para quem quer se esbaldar em blocos, bailes e ir atrás dos trios elétricos, o especialista recomenda uma distância mínima de 10 metros do equipamento de som, além do uso de protetores auriculares, que diminuem o impacto do barulho nos ouvidos. Os ritmistas também devem usar a proteção. O atenuador diminui o som nos ouvidos, permitindo que se escute a música ou o batuque em um volume aceitável, explica a fonoaudióloga.

Lazarini também admite que dificilmente um fiscal impediria um desfile de bloco, trio elétrico ou escola de samba porque a música ameaçasse a audição dos presentes. Cabe aos pais evitar que os filhos pequenos sejam submetidos a tanto barulho. E que os adolescentes e adultos se conscientizem de que a audição é preciosa demais para ser comprometida por um período de quatro dias de festividades, observou o presidente da SBO.

Como perceber que o som pode fazer mal à saúde? Preste atenção ao impacto da música e da trepidação em seus ouvidos. O que for desconfortável provavelmente prejudicará seus ouvidos.

A exposição prolongada ao som alto, por anos seguidos, pode levar a diversos graus de surdez, ao longo dos anos, de acordo com a sensibilidade de cada pessoa. No Brasil, a Sociedade Brasileira de Otorrinolaringologia estima que 15 milhões de pessoas tenham algum tipo de perda auditiva.

ÁGUA É ESSENCIAL PARA MANTER O PIQUE
É quase sempre assim: no Carnaval, no embalo da folia, muita gente exagera no consumo de bebida alcoólica. E os efeitos desse exagero podem ser percebidos na famosa ressaca e em disfunções alimentares. Neste período come-se e bebe-se de tudo e, justamente por isso, é preciso mais cuidado com a alimentação. Para evitar a ressaca e a desidratação, é necessário alternar uma bebida e outra com a ingestão bastante água.

A nutricionista Luciana Abdu, explica que o álcool acaba estimulando as pessoas a irem ao banheiro mais vezes. Daí a necessidade de ingerir líquidos como água, sucos naturais e água de coco. Isso vai colaborar para que o folião curta a festa sem prejudicar a saúde.  Luciana Abdu lembra que a quantidade de consumo de água deve ser aumentada se a pessoa estiver exposta ao sol às altas temperaturas. Uma boa dica é andar sempre com uma garrafinha de água. O ideal é beber uma garrafa de 500 ml de água por hora.

Mas não é só a hidratação que conta para manter o corpo saudável e bem disposto. Cuidar da alimentação depois da folia também é essencial para que o organismo não sinta os efeitos dos exageros alimentares. A orientação é consumir alimentos leves e coloridos, com muita variedade de legumes e verduras.


NA FOLIA
Veja algumas dicas para cuidados antes, durante e depois das festas

Antes
. Hidrate-se com antecedência! Dê preferência à água e aos sucos naturais, consumindo de 2 a 3 litros diariamente. Evite ao máximo os refrigerantes, pois possuem baixíssimo poder de hidratação;
. Dê preferência a alimentos ricos em carboidratos (pão, macarrão, batata, frutas) para que tenha bastante energia na hora da festa, não esquecendo de consumir as verduras e os legumes.
. Evite frituras e alimentos ricos em gorduras; Prefira carnes magras como filé de frango, de peixe ou peito de peru.
. Pratique atividade física, principalmente aeróbica, para aumentar a resistência física e aguentar o ritmo até o final da festa;

Durante
. Hidrate-se a todo o momento! A perda de água através da transpiração é muito intensa e, junto com ela, perdem-se muitos eletrólitos, como sódio, potássio, magnésio e cloro;
. O consumo de bebidas alcoólicas deve ser feito com moderação e nunca com o estômago vazio. Acostume-se, também, a intercalar as bebidas alcoólicas com muita água;
. Alimente-se durante a festa, consumindo alimentos leves. Para facilitar, a dica é sempre levar consigo barrinhas de cereais e beber constantemente sucos de frutas. Assim, também estará repondo a energia gasta durante a folia.
. Nada de consumir frituras durante a festa. Além de apresentarem um alto teor de gordura, podem dar a sensação de estômago pesado e moleza;

Após
Para aqueles que exageraram, este é o dia da ressaca. Para melhorar os sintomas de mal estar, aí vão algumas dicas preciosas:
. Repousar é essencial. Descanse e relaxe para recarregar as energias para os outros dias de festa;
. A ingestão de água e suco durante todo o dia vai refletir também no tempo da recuperação. Por isso, tomar muita água e suco de frutas, mesmo no momento de descanso, é fundamental para acelerar o processo de recuperação do corpo;
. Consuma alimentos leves e ricos em carboidratos, com muitas frutas e verduras. Dê preferência às sopas e caldos, evitando, principalmente, alimentos muito gordurosos.


CUIDE DA AUDIÇÃO

Dicas do que fazer no carnaval
. Evitar permanecer próximo às saídas das caixas de som;
. Ficar atento ao tempo de exposição ao som forte. Está incomodado, irritado, não dá pra conversar? Mude de ambiente por um tempo, deixe o barulho passar;
. Utilizar um protetor auditivo caso o período de exposição seja prolongado e repetitivo durante os dias de folia.
. Respeitar intervalos de repouso auditivo: desfilou ou saiu no bloco à noite. Evite locais com música alta ou som intenso no dia seguinte
. Ao sentir incômodo com o nível do som, procure um local mais tranquilo e reveze entre os ambientes, se possível.
. Se zumbido, (apito), pressão, dor aparecerem e persistirem procure um médico otorrinolaringologista.