Salão

Hotéis sociais oferecem o Dia do Bigode para pessoas em vulnerabilidade em Curitiba

(Foto: Daniel Castellano/SMCS)

Cabelo cortado, barba feita e o visual pronto para uma entrevista de emprego. Este é o resultado de uma ação voluntária oferecida pelo Departamento de Política Sobre Drogas às pessoas atendidas nos três hotéis sociais que recebem pessoas em situação de vulnerabilidade e em recuperação do uso de álcool e outras drogas.

Desempregado há três meses e participante do projeto do hotel social há 30 dias, Fabiano Moreira foi um dos 18 primeiros beneficiados com a oferta do serviço nesta semana, na unidade localizada na Avenida Affonso Camargo. Ele tem buscado novas oportunidades como entregador e, enquanto isso, vende doces durante o dia.

Marcio Ramos Silva, recém-chegado à capital e auxiliado por assistente social na Rodoviária, também pediu auxílio para melhorar o currículo e procurar vagas de trabalho. Ele estava sendo atendido em um dos hotéis da Fundação de Ação Social (FAS). “Poder tomar um banho, ficar fora do frio e me alimentar já estava de bom tamanho. E agora Deus abençoou com esse corte de cabelo”, disse ele.

Ajuda ao próximo
O serviço foi possível por meio de uma parceria entre o Departamento de Política Sobre Drogas, vinculado à Secretaria de Defesa Social e Trânsito, e voluntários, coordenados pelo jovem Leonardo Marques, que tem dois salões na região sul da cidade.

“Tenho essa vontade de fazer mais, de passar um amor para as pessoas que possam se sentir colocadas novamente na sociedade. Como trabalho com isso, pareceu ser uma opção natural”, compartilhou ele, que motivou colegas a se juntarem à iniciativa.

“Não é só o corte de cabelo, é uma experiência. A pessoa se sente abraçada”, acredita Vinícius Duller, também voluntário para o corte de cabelo e barba.

Nas próximas semanas, a atividade será estendida às outras duas sedes do projeto Nova Morada, Vida Nova (hotéis sociais). “O objetivo desta ação é promover a conscientização sobre a importância dos cuidados com a apresentação pessoal e as repercussões que acontecem na saúde, autoestima e imagem dos participantes, além de proporcionar um momento de carinho para essa população tão fragilizada”, pontua Thiago Ferro, integrante da equipe do Departamento de Política Sobre Drogas.

Nova Morada, Vida Nova
Os três hotéis sociais que atendem pessoas em situação de vulnerabilidade social e em recuperação do uso de álcool e outras drogas atendem com capacidade máxima de até 150 ocupantes no Centro da cidade. Coordenado pelo Departamento de Política Sobre Drogas, o trabalho ganhou uma relevância ainda maior durante este período de enfrentamento à covid-19.

Com a oferta de um local abrigado e seguro para dormir (onde a permanência deve ser feita com máscaras de proteção), de um kit higiene e refeições gratuitas, os hoteis sociais da Prefeitura são também locais de apoio na procura por emprego, por incentivo à reconexão com a família e orientações diversas, prestadas por uma equipe capacitada especificamente para a função.

São 50 vagas em cada hotel, localizados na Rua Visconde do Rio Branco, Alameda Cabral e Avenida Presidente Affonso Camargo. As unidades integram a rede de apoio estruturada pela administração municipal - o acesso a eles é condicionado ao encaminhamento feito pela Saúde (aqueles que já fazem tratamento nos Centros de Atenção Psicossocial - Caps) e pela FAS.

Já no hotel, os atendidos mantêm o vínculo com os assistentes sociais e com as equipes de Saúde. Todos passam por uma entrevista para verificar as necessidades de curto prazo, bem como para elencar habilidades sociais e profissionais. Os espaços contam com acesso a wi-fi, livros didáticos e de ficção, sala de TV e refeitório.

Periodicamente são feitas avaliações de acompanhamento e da evolução de cada quadro, além da oferta de ajuda para elaborar um currículo, para participação em cursos de capacitação e aperfeiçoamento e na procura por vagas de emprego. Assim que alcança a autonomia, o hóspede sai do projeto, dando lugar para outra pessoa.