Publicidade
Eleições 2014

Ibope aponta favoritismo de tucano na sucessão

Pesquisa Ibope divulgada ontem confirma o favoritismo do governador Beto Richa para a reeleição em 2014. Quando perguntados sobre as eleições, 76% dos entrevistados disseram que votariam com certeza ou poderiam votar em Richa nas eleições de outubro de 2014. Um dado novo: 62% afirmaram que gostariam que o prefeito da sua cidade apoiasse Beto Richa.

 O Ibope confirma levantamento do Instituto Paraná Pesquisas, de dezembro último, que mostrou ampla vantagem de Beto Richa na corrida eleitoral. O Ibope mostra Richa com 73% de aprovação da população paranaense e com nota 8, numa escala de 0 a 10. Em dezembro, pelo Paraná Pesquisas, Beto tinha 69,5% de aprovação.
Richa preferiu não comentar as questões eleitorais da pesquisa e disse que o que importa é a avaliação da sua administração. Estamos trabalhando muito, conquistando avanços para os paranaenses em todas as áreas. A pesquisa mostra que o governo está no caminho certo, essa é a avaliação mais importante, afirmou.

O Ibope ouviu 2.002 entrevistados em 12 regiões do Estado, de 16 a 22 de fevereiro, considerando as variantes de sexo, idade, grau de instrução e renda familiar. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. Nas questões relativas às eleições de 2014, apenas 19% disseram que não votariam em Richa e 5% não responderam. Quanto ao apoio de seus prefeitos, 23% dos paranaenses disseram que gostariam que o prefeito apoiasse outro candidato e 15% não responderam.

A pesquisa Ibope também levantou quais os maiores problemas na opinião dos paranaenses. A área de saúde foi a mais mencionada, com 33%. Segurança ficou em segundo lugar, com 21%, e educação em terceiro, com 10%. Os paranaenses nomearam ainda como maiores problemas o desemprego (9%), as estradas (7%) e o pedágio (6%).
Hélio Gastaldi, diretor do Ibope, avalia que saúde, segurança e educação são problemas conjunturais no Brasil, áreas sempre mal avaliadas nas pesquisas, municipais, estaduais ou federais. Em todas as pesquisas, essas áreas são questionadas pela população porque são vitais, com grandes carências em nosso País, por mais que os governos façam boas ações, a população sempre vai exigir mais, afirmou.



Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES