Publicidade
Baixa visão

Instituto Paranaense de Cegos lança campanha Bengala Verde. Veja o que é

Evento será no Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência, na Biblioteca Pública do Paraná, e alertará para casos de agressões a pessoas com baixa visão que são confundidas com pessoas cegas. Haverá também um ato na Boca Maldita. 

Nesta sexta-feira,21, Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência, o IPC (Instituto Paranaense de Cegos) lança na Biblioteca Pública do Paraná a campanha “Pessoa com Baixa Visão e Bengala Verde”. Haverá uma série de palestras com especialistas e depoimentos de pessoas com deficiência visual, numa programação das 8h30 às 16h. Em seguida, os participantes farão um movimento na Boca Maldita. Serão distribuídos folders em escolas, hospitais, postos de saúde e outras instituições. Em parceria com a Urbs, em outubro a campanha terá cartazes afixados em ônibus. “O lançamento da campanha foi pensado nesta data para mostrar a necessidade de lutas e de participação da sociedade na defesa dos direitos das pessoas com deficiência”, afirma o diretor do IPC, Enio Rodrigues da Rosa.

O primeiro objetivo da campanha é identificar a pessoa como baixa visão e evitar que ela seja confundida com uma pessoa cega ou até mesmo com alguém que finge ser cego. Não são raros os casos de agressões contra pessoas com baixa visão que estão com bengala e usam o celular num ônibus ou num restaurante, ou ainda contra aqueles que usam a bengala apenas à noite, porque só precisam dela neste período devido à redução da luz natural. “É esta diferença que queremos mostrar e, com isso, garantir maior segurança, qualidade de vida, cidadania e respeito às pessoas com deficiência visual”, explica a coordenadora da campanha no IPC, professora Lilian Biglia.

Os outros dois focos da campanha estão na pessoa com baixa visão. “A campanha pretende criar uma noção de pertencimento porque as pessoas com baixa visão estão no limite entre ver e não ver, e a cultura reforçou a cegueira, criando uma invisibilidade à pessoa com baixa visão. Além disso, a campanha quer trabalhar a aceitação da bengala. A pessoa com baixa visão não se identifica com a bengala branca porque ela é símbolo da cegueira, e tem relatos de pessoas que passaram a aceitar a bengala verde porque sentiram que há um instrumento para elas. Com isso, tem-se o benefício do uso da bengala, que proporciona autonomia de ir e vir, traz independência”, explica Manoel Negraes, frequentador do instituto com baixa visão e um dos idealizadores da campanha, que é uma iniciativa do Grupo de Convivência do IPC.

A bengala verde

A bengala verde foi criada em 1996 na Argentina, pela professora uruguaia Perla Mayo. Ela constatou que seus alunos com baixa visão eram tratados como pessoas cegas e, por isso, perdiam o pouco da visão que detinham. Além disso, percebeu que eles evitavam usar a bengala branca porque não queriam ser tratados como pessoas cegas, e então passou a pintar as bengalas de verde. “Verde porque é ver de novo, é verde de esperança”, diz Lilian.
A bengala verde então virou lei na Argentina em 2002 e, no Uruguai, em 2011. No Brasil, onde há 6 milhões de pessoas com baixa visão, a ideia é recente e começou a ganhar força em 2014. No ano passado, recebeu apoio da ONCB (Organização Nacional dos Cegos do Brasil). De lá pra cá, várias cidades começaram a aprovar projetos de lei sobre seu uso. Curitiba ainda não tem um projeto de lei.    

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES