Publicidade

Investigado por fraudes na saúde do Rio entregou R$ 8,5 Milhões ao MP

O Ministério Público do Estado do Rio (MP-RJ) esclareceu neste sábado (11) que um dos investigados por fraudes em contratos para a compra de respiradores mecânicos, usados inclusive para atender vítimas de covid-19 no Estado do Rio, entregou espontaneamente R$ 8,5 milhões aos investigadores, na sexta-feira (10), quando foi executada mais uma fase da Operação Mercadores do Caos, por meio da qual o MP-RJ investiga esses desvios.

Na sexta-feira, o principal alvo da operação foi o ex-secretário estadual de Saúde do Rio de Janeiro Edmar Santos, preso sob acusação de se beneficiar das fraudes. Ainda na sexta-feira foi divulgado que esse dinheiro havia sido encontrado na casa de Santos. Agora está esclarecido, portanto, que o dinheiro não foi encontrado nesse local, e sim foi entregue espontaneamente - o MP-RJ não informou se por Santos ou outro investigado. A pessoa que entregou fez isso acompanhada por seu advogado, diz o MP-RJ.

Segundo o órgão, cerca de R$ 7 milhões eram em reais e o restante em dólares americanos, euros e libras esterlinas. O dinheiro foi levado para a Coordenadoria de Segurança e Inteligência do MP-RJ e contado na presença do investigado e de seu advogado.

Para a contagem do dinheiro, o Banco do Brasil emprestou máquinas de contar cédulas e colocou à disposição agência e funcionário prestando serviços após o horário habitual de expediente. Depois, o dinheiro foi depositado em conta judicial do Banco do Brasil, em agência localizada ao lado do edifício sede do MP-RJ, o que facilitou o transporte e a segurança, considerando que as contas judiciais precisam ser abertas nesse banco. Após a contabilização, todos os invólucros onde estavam as notas foram preservados para que sejam periciadas pelo Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE). As diligências terminaram na madrugada deste sábado.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES