Publicidade

Já questionado em 2020, Atlético-MG busca façanha para avançar na Sul-Americana

O Atlético Mineiro jogará nesta quinta-feira, no estádio Independência, dividido entre a busca por uma façanha e a pressão por uma eliminação precoce em uma competição vista como prioridade no início da temporada. A partir das 21h30, o time vai encarar o Unión precisando reverter a ótima vantagem do time argentino no confronto de volta da primeira fase da Copa Sul-Americana.

Há duas semanas, em Santa Fe, o Atlético-MG foi facilmente batido por 3 a 0, com uma atuação pífia, o que incluiu a perda de um pênalti no fim do segundo tempo. Por isso, precisa de uma goleada por ao menos quatro gols de diferença para avançar de fase. Ou devolver os 3 a 0 e levar a definição do confronto para os pênaltis.

Na história da Sul-Americana, criada em 2002, apenas duas vezes um time teve êxito na missão atleticana desta quinta-feira. Foi em 2003, quando o Libertad devolveu o placar diante do Nacional do Uruguai, depois triunfando nos pênaltis, e em 2017, com o Huracán fazendo 4 a 0 no venezuelano Deportivo Anzoátegui.

Se o retrospecto da competição indica a dificuldade da missão atleticana, ela se torna ainda mais improvável pelo começo de temporada irregular do time. A produção ofensiva vem sendo ruim, com apenas nove gols marcados em oito partidas, sendo que apenas em uma delas fez mais de um.

No fim de semana, perdeu para a Caldense por 2 a 1, no Mineirão, em partida que era visto como teste para o confronto com o Unión. O resultado fará o time terminar a quinta-feira fora da zona de classificação às semifinais do Campeonato Mineiro e aumentou a pressão sobre o recém-iniciado trabalho do técnico Rafael Dudamel. E a eliminação da Sul-Americana só iria piorar esse cenário.

Para o confronto com o Unión, Dudamel não poderá utilizar o volante Allan, expulso na Argentina, além de Savarino e Diego Tardelli, reforços para o setor ofensivo que não foram inscritos na primeira fase da Sul-Americana. E pela necessidade de aplicar uma goleada, deve realizar mudanças na escalação.

O goleiro Michael, o lateral Maílton e o zagueiro Réver, poupados no último domingo, devem retornar ao time. E a aposta na ofensividade deverá promover outras alterações na formação: Guilherme Arana assume de vez a titularidade na lateral esquerda, com Jair realizando a função de primeiro volante, como indicou preferir atuar durante a semana, ocupando a vaga de José Welison, visto como vilão da derrota para a Caldense.

Isso abrirá espaço para a entrada de Otero, visto como importante opção para jogadas de bola parada diante de um adversário que deverá jogar retrancado, disputar seu primeiro jogo como titular no Atlético-MG em 2020.

"É o jogo mais importante pra gente no ano, sabendo que vamos entrar com um 3 a 0 abaixo. Com nossa torcida, a gente pressionando desde o primeiro minuto, se a gente fizer um gol nos primeiros 15 minutos e com a torcida ao nosso favor, acredito que a gente pode virar esse jogo, sim. A motivação está excelente, o grupo está bastante focado no que tem que fazer, nos treinamentos", afirmou Otero.

Classificado à Sul-Americana após ser o oitavo colocado no Campeonato Argentino da temporada 2018/2019, o Unión quer evitar o a repetição do desempenho na competição do ano passado, quando abriu vantagem no jogo de ida da primeira fase, vencendo o Independiente del Valle por 2 a 0, mas depois caindo na disputa de pênaltis para o time equatoriano, que se sagraria campeão.

Agora, o placar conquistado no primeiro confronto foi ainda melhor, mas o Unión vem em momento ruim no Argentino, com três derrotas consecutivas e em 18º lugar. E o técnico Leonardo Madelón deve apostar em uma formação fechada, no esquema tático 4-5-1, para conseguir uma classificação que seria histórica para o clube de Santa Fe.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES