Publicidade
Estados Unidos

Joe Biden lança pré-candidatura à Casa Branca

WASHINTON, EUA (FOLHAPRESS) - O ex-vice-presidente dos Estados Unidos Joe Biden anunciou nesta quinta-feira (25) sua pré-candidatura para a Casa Branca, unindo-se à grande lista de aspirantes do Partido Democrata para as eleições presidenciais de 2020.

"Estamos numa batalha pela alma desta nação", disse Biden em uma rede social. "Os valores fundamentais deste país, nossa posição no mundo, tudo está em jogo. É por isso que hoje estou anunciando minha candidatura para presidente dos Estados Unidos."

Mesmo antes do anúncio oficial, Biden já liderava as pesquisas para as primárias do Partido Democrata.

De acordo com levantamento do RealClearPolitics, Biden é o favorito para obter a indicação do partido com 29,3%, seguido por Bernie Sanders, senador que foi pré-candidato à Presidência em 2016, que tem 23% de apoio.

A lista de postulantes democratas já conta com 20 nomes dispostos a enfrentar o presidente Donald Trump, provável candidato republicano nas eleições de novembro de 2020.

Críticos dizem que sua posição nas pesquisas se deve principalmente ao reconhecimento do nome do ex-senador do Delaware, cujas mais de quatro décadas no serviço público incluem oito anos como vice de Barack Obama.

Em rede social, Trump fez ironia. "Bem-vindo à corrida, Sleepy Joe [Joe dorminhoco]. Só espero que você tenha inteligência, algo sob dúvida, para fazer uma campanha primária de sucesso. Será algo desagradável --você irá lidar com pessoas que possuem algumas ideias doentes e dementes. Mas se você conseguir, te vejo na largada."

Biden, 76, tem sido um dos críticos mais agressivos contra Trump. No ano passado, ele disse que "acabaria com a raça" do republicano se os dois estivessem na escola devido à maneira como o presidente falou das mulheres, lamentando a frase mais tarde.

"A história olhará para os quatro anos desse presidente como um momento aberrante. Mas se dermos a Trump oito anos na Casa branca, ele irá fundamentalmente e para sempre mudar o caráter desta nação."

O ex-senador tem como pontos fortes seu carisma e a capacidade de dialogar com trabalhadores das indústrias, especialmente do Meio-Oeste do país, onde Trump teve muitos votos em 2016.

A candidatura dele enfrentará várias questões, como a de que seria muito velho e muito centrista em um Partido Democrata que busca novos rostos e em que alas mais à esquerda têm ganhado destaque.

Biden também foi questionado por seu hábito de tocar e beijar estranhos em eventos de campanha -- diversas mulheres disseram se sentir desconfortáveis com seus gestos.

Ele costumava fazer graça de seu comportamento, mas recentemente pediu desculpas e prometeu se adequar.

Em sua longa carreira no Senado, Biden ficou marcado por um episódio de 1991, no qual, como chefe da Comissão de Justiça, tratou de forma agressiva Anita Hill, que acusava Clarence Thomas, indicado à Suprema Corte, de assédio sexual.

Em março de 2019, Biden disse ter se arrependido da forma como agiu. Ele também disse ter mudado de opinião sobre posições que defendeu no passado, como leis que levaram ao aumento do encarceramento no país.

DESTAQUES DOS EDITORES