Protesto

Jornalistas marcham contra perseguição, coação e ameaças de morte

A Feirinha do Largo da Ordem, um  dos cartões postais de Curitiba, serviiu de palco para uma manifestação de jornalistas contra os casos de perseguição, coação para revelação de fontes e ameaças de morte aos profissionais de imprensa.  Na manhã deste domingo, 3, cerca de 100 profissionais, vestidos de preto e com uma mordaça na boca, caminharam por toda da extensão da feirinha. Eles distribuíram panfletos para alertar a população sobre o que está ocorrendo no Paraná.

O ato foi organizado pelo Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná (Sindijor PR) e pelo Sindicato dos Jornalistas do Norte do Paraná. Outras manifestações serão realizadas em várias cidades para que a ameaça aos jornalistas não seja esquecida.

O ato teve início nas ruínas de São Francisco e foi encerrado nas escadarias, local onde o presidente do Sindijor PR, Gustavo Henrique Vidal, agradeceu a adesão da categoria nesta manifestação e deu informes sobre as investigações que estão sendo feitas pelo Gaeco da ameaça de morte ao jornalista da RPC James Alberti, que foi retirado do país pela emissora.

A nova direção do Sindicato foi empossada na última segunda-feira, 27 de abril, e organizou o ato na mesma data.

Nesta semana, para chamar a atenção da população, algumas estátuas do Centro Cívico amanheceram amordaçadas, em mais um ato dos jornalistas contra as perseguições que estão ocorrendo e sendo divulgadas nos últimos meses.

O Sindijor também criou o Comitê Regional de Proteção aos Jornalistas do Paraná e lançou um site para receber denúncias de ameaças ao exercício da profissão. Acesse aqui mais informações sobre o comitê.