Publicidade
Democracia?

Jornalistas são agredidos por bolsonaristas no Centro de Curitiba

Além do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Congresso Nacional, ao que tudo indica a imprensa paranaense também virou um alvo do bolsonarismo. Durante a manifestação deste domingo (26 de maio), jornalistas de veículos como o jornal Bem Paraná, o jornal Plural e a Gazeta do Povo foram hostilizados e até mesmo agredidos na Praça Santos Andrade. Outro agredido foi um estudante de Jornalismo que cobria o evento para o jornal laboratório do curso de jornalismo da UFPR. 

Bem Paraná

Do Bem Paraná, o fotojornalista Franklin de Freitas foi hostilizado ao filmar a retirada de uma faixa com os dizeres 'em defesa da educação' da frente do Prédio Histórico da Universidade Federal do Paraná. "Fui bastante hostilizado, o clima está tenso aqui. Chamaram de imprensa de merda, imprensa de esquerda", conta, explicando ainda que, antes de começar os xingamentos, os manifestantes sempre questionavam "de qual lado você está?".

Plural

Também fotojornalista, Giorgia Prates cobria a manifestação pelo jornal Plural. Após fazer vários fotos do ato, se afastou da multidão para já mandar algumas imagens para a redação. Foi quando notou que acontecia uma briga nas escadarias do Prédio Histórico.

"Duas meninas entraram para pegar a faixa ('em defesa da educação') e levar embora, mas começaram a agredir as meninas. Decidi ir pro meio (dos manifestantes) de volta para fazer o registro, até flagrei um rapaz jogando uma lata de Guaraná nelas. No que me aproximo, o rapaz do som começa a falar: 'Esse de moicano também é', ainda me tratou como se fosse homem. Um rapaz começou a colocar a mão na frente da câmera, eu disse que estava trabalhando e ele começou a gritar, me chamar de vagabunda, tentou dar um tapa na minha cara mas acertou meu pescoço."

As agressões, conta ela, começaram em seguida a uma equipe de policiais passar pela fotógrafa. Eles foram resgatar as duas meninas que haviam sido cercadas e estavam sendo agredidas pelos manifestantes. Para escapar da horda, Giorgia conta que se enfiou no meio dos policiais. "Me enfiei no meio dos policiais para poder sair. A gente passando e as pessoas xingando, dizendo 'sua vagabunda', 'agora a gente tem polícia'. Chamei o Uber e saí correndo. A sorte foi que o Uber não demorou nada."

Ela agora avalia se irá registrar um boletim de ocorrência sobre o episódio. "Estou decidindo ainda. Na conjuntura atual, não sei se faz diferença. Mas acredito que seja importante. É um meio de proteção, eu estava lá trabalhando, não fui para ser contra ou a favor de ninguém. Estava só tentando trabalhar."

Gazeta do Povo

Já a Gazeta do Povo informou que o fotógrafo Hedeson Alves foi agredido com um soco nas costas. Ele conseguiu sair do local com a ajuda de policiais militares. As agressões teriam ocorrido após a retirada do cartaz com os dizeres "em defesa da educação".

Estudante de jornalismo

A agressão contra um estudante de jornalismo foi relatada nas redes sociais pelo professor do curso de Comunicação Social da UFPR, Mário Messagi Júnior. Segundo ele, o jovem Hiago Rizzi Zanolla cobria o ato pró-Bolsonaro pelo jornal laboratório do curso de jornalismo da UFPR quando ocorreram as agressões. Segundo ele, outros jornalistas (a exemplo de Giorgia) relataram que, do caminhão de som, líderes do protesto apontavam os jornalistas para serem agredidos pelos manifestantes.

"Hiago estava lá realizando uma atividade que é parte da sua formação profissional. Aprendeu uma dura lição sobre liberdade jornalística. Os manifestantes que estavam nas ruas são o lado mais violento, regressivo, antidemocrático e ignorante dos eleitores de Bolsonaro", escreveu Messagi Júnior.

Sindicato do Jornalistas do Paraná: "Não admitiremos que a intolerância e a ignorância nos silenciem"

O presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná (Sindijor-PR), Gustavo Henrique Vidal, enviou uma nota da entidade de repúdio às agressões. Veja abaixo, na íntegra:

"Manifestações públicas têm se tornado o pesadelo para jornalistas. Nos últimos anos, dezenas de profissionais se tornaram alvo da intolerância e foram agredidos e hostilizados por manifestantes.  Neste domingo, três profissionais foram violentados e censurados durante manifestação a favor do governo federal e da reforma da previdência.  Os repórteres-fotográficos Hedeson Alves, da Gazeta do Povo, Franklin Freitas, do jornal Bem Paraná, e Giorgia Prates, do Plural, foram impedidos de cumprirem com sua função, de informar a sociedade, com socos, empurrões e palavrões de manifestantes. 

Num ato que se autodefine como democrático, é no mínimo incoerente que a democracia seja violada com práticas de violência contra quem está ali para relatar a manifestação. O SindijorPR repudia veementemente a violência contra jornalistas, profissionais responsáveis pela fiscalização da democracia. É preciso identificar os responsáveis pelas ações e punir com o rigor da lei.  Jornalistas precisam ter garantido o seu direito de livre exercício profissional para mostrar a realidade de atos que não têm nada a esconder. Não admitiremos que a intolerância e a ignorância nos silenciem"

DESTAQUES DOS EDITORES