Publicidade
Iluminação segura

Lâmpada de LED deve vir com selo do Inmetro

Lâmpada de LED deve vir com selo do Inmetro


As lâmpadas LED já são realidade no mercado nacional, ganhando a preferência dos consumidores, que estão cada vez mais aprendendo a importância da economia de energia dentro do orçamento familiar, bem como do uso de produtos sustentáveis, que não agridem o meio ambiente.
No entanto, o consumidor deve ficar atento: desde a última quarta-feira, 17 de janeiro, está proibida a comercialização de lâmpadas LED, do tipo com regulador integrado à base, sem certificação do INMETRO, por atacadistas e varejistas de todos os portes, ou seja, agora a regra vale para todas as empresas.

É possível hoje encontrar todos os tipos e formatos de lâmpadas LED, muitas vezes com os mesmos formatos das lâmpadas que conhecemos de outras tecnologias, com a finalidade de facilitar a vida do consumidor nessa substituição.

A certificação é a ferramenta que assegura, não só ao consumidor como aos distribuidores e varejistas, que uma organização independente, por meio da análise do processo de fabricação e ensaios em laboratórios, verificou que o produto está em conformidade com padrões específicos de segurança, desempenho e qualidade estipulados por um órgão certificador renomado.

A motivação para a certificação de lâmpadas LED não foi diferente das outras lâmpadas: expurgar do comércio importadores e fabricantes que encontraram no mercado brasileiro, desregulamentado, uma oportunidade de comercializar lâmpadas baratas, com baixa qualidade, não só em termos de desempenho, como de segurança.

Segundo o engenheiro elétrico Rubens Rosado, assessor técnico da Associação Brasileira dos Fabricantes e/ou Importadores de Produtos de Iluminação (Abilumi), com o mercado desregulamentado, consumidores que se preocupam apenas com o preço no momento de aquisição de suas lâmpadas perdem triplamente.

Primeiro, por colocarem em risco sua vida e suas instalações, com produtos que não têm, por exemplo, isolamento adequado e proteção contra curto circuito. Segundo, por estarem sendo enganados em relação às informações de embalagem, como fluxo luminoso e potência, inferiores ao que o produto proporciona. Terceiro, por que fica difícil para os importadores e fabricantes comprometidos com a qualidade trazerem para o mercado interno produtos com novas tecnologias, mais eficientes, mais seguros, que estão surgindo no mercado internacional a cada dia, explica o especialista.

A qualidade tem um preço, que deve ser justo para quem comercializa e para quem adquire um produto, completa o engenheiro.

Segundo a associação, várias ações de fiscalização estão programadas e lojistas e distribuidores do todo o país poderão ser autuados, sendo passiveis de apreensão das mercadorias sem certificação e multa.

Saiba como identificar uma lâmpada LED certificada

A Abilumi (Associação Brasileira dos Fabricantes e/ou Importadores de Produtos de Iluminação) orienta o consumidor a verificar os seguintes itens na embalagem:

Todas as informações devem, obrigatoriamente, estar em português.  Nome do fabricante, CNPJ e telefone do SAC.  Selo do Inmetro.  Potência em Watts.  Fluxo luminoso em lúmens.  Eficiência luminosa em lúmens por Watt.  Etiqueta Nacional de Conservação de Energia (Ence).  A etiqueta deve conter ainda, na parte de segurança, um número de registro, pois alguns fornecedores estão colocando apenas XXXXXX. Caso isso aconteça, não tenha dúvida, a certificação é falsa!
Publicidade

DESTAQUES DOS EDITORES