Eleições 2016

Leprevost e Greca “aceleram” a campanha na reta final

Em clima de confronto aberto depois dos programas eleitorais do fim de semana e do debate na RIC TV, na noite de domingo, os candidatos à prefeitura de Curitiba, Ney Leprevost (PSD) e Rafael Greca (PMN), deverão usar a última semana de campanha antes do segundo turno para tentar desgastar ainda mais a imagem do adversário e buscar os votos dos indecisos. Tecnicamente empatados, segundo a pesquisa Ibope* divulgada na sexta-feira, os candidatos ainda se enfrentarão em dois debates nesta semana e usarão o resto de suas agendas para percorrer os bairros e participar de reuniões. 

Greca tem contado com o apoio da primeira-dama do estado e presidente da Provopar, Fernanda Richa, em suas incursões nos bairros. Leprevost tenta aumentar sua penetração nas regiões mais afastadas do Centro com a presença de Ratinho Junior, secretário estadual de Desenvolvimento Urbano, que o apoia desde o primeiro turno.

Apesar das promessas de uma campanha propositiva logo após o primeiro turno, os programas eleitorais de Greca no rádio e na TV partiram para o ataque assim que a primeira pesquisa sobre a corrida eleitoral do segundo turno foi divulgada pelo instituto Opinião**. No último sábado, levou ao ar um programa com verdades sobre o Ney e sua campanha lançou um site com denúncias contra o deputado estadual. Ele acusa Leprevost de ter usado o cargo de deputado para beneficiar o irmão na negociação de um terreno e de ligações com o PCdoB, além de levantar suspeitas sobre seu diploma de Administração, obtido em uma universidade do Tocantnis.

Sob ataque, Ney Leprevost vem acusando Greca de ter sido funcionário fantasma do Renan Calheiros, quando foi cedido ao Senado, e de responder a 15 processos na Justiça. Ele tenta relacionar o oponente à velha política e ao que vem chamando de máfia – os grupos econômicos que prestam os serviços de transporte coletivo e de antipó, entre outros. Enquanto o candidato do PSD luta contra o desgaste de sua imagem, Greca vem sendo alvo de denúncias desde o primeiro turno, quando liderava as pesquisas de intenção de voto.

Reprise

A campanha de Greca repetiu ontem o programa Verdades sobre Ney e deverá reafirmar as acusações até o fim da propaganda eleitoral, na sexta-feira. Leprevost tem mostrado todos os dias um programa em que compara sua trajetória à do adversário. A peça publicitária mostra suas realizações como deputado, enquanto Greca não conseguia se reeleger para o Legislativo estadual e aparecia em uma foto com o senador Roberto Requião e o ex-presidente Lula.

Greca e Leprevost voltam a debater na quinta-feira, a partir das 18 horas, na Rádio Jovem Pan Curitiba. O último encontro será na RPC TV, na noite de sexta-feira. A tendência é que eles voltem a trocar acusações.

O objetivo agora é conquistar os votos dos eleitores que pretendem anular, votar em branco ou se abster. Segundo a pesquisa Ibope divulgada na sexta-feira, 12% do eleitorado pretende anular ou votar em branco, e 5% está indeciso.

Registro

Pesquisa Opinião: divulgada no dia 11. Foram ouvidos 1.200 pessoas entre os dias 7 e 9 de outubro. A margem de erro é de 2,83 pontos porcentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%. Registro: PR-04268/2016.
Pesquisa Ibope: divulgada no dia 21. O Ibope ouviu 805 eleitores entre 18 e 20 de outubro. A margem de erro é de três pontos porcentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%. Registro: PR-08766/2016.

Terreno

Instituto dos Cegos rebate denúncia

O diretor do Instituto Paranaense de Cegos (IPC), Ênio Rodrigues Rosa, negou ontem as acusações do candidato do PMN à prefeitura de Curitiba, Rafael Greca. Em entrevista coletiva, Rosa disse que o instituto foi colocado no meio da disputa pela prefeitura de Curitiba e garantiu que não houve nenhum tipo de benefício a João Guilherme Leprevost, irmão do candidato do PSD à prefeitura, Ney Leprevost (PSD).
Segundo a campanha de Greca, Ney Leprevost atou na Assembleia Legislativa para aprovar um substitutivo que permite ao IPC locar e vender o terreno, que foi doado pelo governo do estado. A empresa CWB Brasil, que pertence ao irmão de Leprevost, teria ainda a preferência na compra da área, no bairro Campo Comprido.
Ênio Rosa disse que na verdade outro projeto foi aprovado e que o IPC não tem autorização para vender a área. De acordo com ele, a locação da área rende R$ 30 mil mensais ao instituto, valor que passará para R$ 40 mil em 2017. O acordo, segundo o diretor do IPC, prevê que a empresa de João Guilherme Leprevost construa um pavilhão de eventos no local, que será incorporado ao patrimônio da entidade. O Instituto foi sugado para uma briga que não é dele, afirmou Rosa. O Greca tentou atingir o adversário e acabou acertando o IPC.

Sabatina

Greca prevê R$ 1 bilhão para investir 

Em entrevista à rádio CBN Curitiba, na manhã de ontem, o candidato do PMN à prefeitura, Rafael Greca, voltou a atacar seu adversário, Ney Leprevost (PSD). Como no debate da noite anterior, na RIC TV, Greca questionou o diploma de Administração do oponente e disse que Leprevost não conhece a cidade. Ele voltou a dizer que Leprevost, apesar de formado em Adminisração, não conhece a teoria do norte-americano Frederick Taylor. Um moço formado em Administração que não conhecer Taylor?, questionou. Ele é a própria aplicação da teoria, não estudou e tem diploma.
O ex-prefeito disse que seus críticos são Matildes sem obras e sem currículo e que Leprevost não conhece a geografia da cidade. Outra tática do candidato do PMN tem sido tentar colar a imagem de que o adversário não gosta de trabalhar. Sou trabalhador, acordo cedo, durmo tarde e sou apaixonado por Curitiba, afirmou.
Limites - Questionado sobre os limites orçamentários para colocar seu projetos em prática, Greca disse que pretende rever o orçamento da prefeiutra. Temos entre 15% e 25% das verbas para remanejar. Só não vou tirar dinheiro da saúde e da educação, as outras áreas todas estão sujeitas a remanejamento, comentou. Se eu conseguir remanejar 15% do orçamento, tenho perto de R$ 1 bilhão. Dá pra fazer uma festa.

em projetos