Publicidade
Pesquisa

Entre jovens, 60% dizem poupar para o futuro

Manter as contas em dia e economizar todo mês é uma ação com impacto não só na vida pessoal, como também na profissional. Afinal, de acordo com estudos, quem não possui uma estabilidade monetária, perde em produtividade e desempenho. Pensando nisso, o Nube - Núcleo Brasileiro de Estágios realizou uma pesquisa com o seguinte foco: “você consegue controlar suas finanças?”. O levantamento ocorreu com 32.634 participantes em todo o Brasil, com faixa etária entre 15 e 28 anos. O resultado, colhido entre 24 de junho e 5 de julho, apontou equilíbrio entre os jovens.

A resposta da maioria, ou seja, de 60,73% ou 19.820 pesquisados, foi: “sim, poupo sempre e já planejo o futuro”. Isso é importante, pois o cenário econômico se encontra instável e a insegurança rege as ações. Logo, manter uma solidez é fundamental. “O investimento precisa ser estratégico, pois quem junta um valor a ponto de prejudicar suas demandas do cotidiano, tem de se reprogramar, entender as limitações e trabalhar com as possibilidades de acordo com a realidade na qual está inserido”, recomenda o analista de treinamento do Nube, Everton Santos.

Outros 22,22% (7.250) disseram: “sim, mas nunca sobra dinheiro para guardar”. Para o especialista, a atitude deixa a pessoa em uma zona de risco. “A qualquer dispêndio inesperado pode-se comprometer o restante da renda. Dessa forma, é indicado sempre deixar uma reserva para eventos adversos ao nosso cronograma”, avalia. Já para outros 10,02% (3.271): “depende do mês e de quantas vezes o indivíduo sai”. Esses devem fazer um controle dos débitos e créditos, pois isso auxiliará na condução dos consumo e na percepção de possíveis economias.

Ainda assim, há quem admita não se aguentar e, com isso, abusa de suas remunerações. Dessa forma, 5,04% (1.644 ) asseguraram: “não, eu até tento, mas sempre gasto demais” e 1,99% (649) revelaram: “não, o dinheiro não para na minha mão”. Todavia, para uma mudança de comportamento, o primeiro passo é elencar as prioridades e entender o significado do materialismo. “Não basta apenas ter a quantia para comprar algo, é imprescindível saber se aquilo é necessário para os objetivos de curto, médio ou longo prazo”, afirma Santos.

De acordo com ele, uma saída é guardar um montante sempre quando receber o pagamento, por exemplo. “A poupança, tesouro direto ou até mesmo os cofres, quando se trata de pequenas somas, é uma alternativa. Retirar as cédulas do nosso campo de visão abre um precedente delas não existirem naquele momento e evitamos seu uso”, garante. No mais, disciplina é o segredo para obter êxito nessa empreitada. Ou seja, entender o fato de não poder satisfazer as vontades a toda hora, faz parte do processo. “Isso não significa não ter o item almejado, mas perceber como tudo leva seu tempo”, pontua.

Portanto a dica final é criar metas e estipular prazos. “Indico fazer um compromisso consigo mesmo e executá-lo de forma pontual. Focar em propósitos capazes de serem cumpridos. Afinal, comprometer todo o patrimônio em sonhos pode ser prejudicial para as necessidades do presente”, finaliza.

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES