Mancini repete discurso e diz que Grêmio não vai jogar a toalha

A derrota para o Bahia por 3 a 1, nesta sexta-feira à noite, em Salvador complicou o Grêmio na luta contra o rebaixamento para a Série B. A derrota, pela 36.ª rodada do Campeonato Brasileiro, deixou o time gaúcho com 36 pontos, quatro pontos atrás do Bahia, que com a vitória deixou a zona de rebaixamento e é o primeiro time fora da zona de descenso.

Para o técnico Vagner Mancini, o time tem condições ainda de brigar contra o rebaixamento. "Temos obrigação de seguir lutando, faltam nove pontos para ser disputados e vamos brigar até o final. Não vamos jogar a toalha. É duro o resultado, difícil de digerir, mas temos que lutar. Hoje vai ser difícil dormir", explica.

Mancini revelou que o time não funcionou em Salvador. "O Grêmio foi muito abaixo em futebol, em luta, em organização e esquema tático e por isso perdeu o jogo. Não tem como jogarmos o que jogamos e esperar um outro resultado que não seja a derrota. O time não conseguiu dar resposta coletiva, apresentou falta de concentração. Não foi uma noite feliz do Grêmio", concluiu.

Dênis Abrahão, vice-presidente de futebol, afirmou que na segunda-feira haverá uma reunião com os atletas para cobrá-los sobre a apatia apresentada em campo. "Não vou dourar a pílula. Vamos ouvir os atletas e eles vão ter que dizer o que está acontecendo. Fizemos tudo que estava ao nosso alcance. Começa o jogo, uma apatia total. Esse não é o Grêmio que nós queremos", sentenciou.

Já os jogadores deixaram a Arena Fonte Nova sem falar com a imprensa. A greve de silêncio é mais um episódio na crise gremista na Série B. Precisando vencer os últimos três jogos para tentar escapar do rebaixamento, o Grêmio enfrenta o São Paulo na quinta-feira, em jogo adiado da 35.ª rodada, em Porto Alegre (RS). Pela 37.ª rodada visita o Corinthians em São Paulo e, na última rodada, receberá o Atlético-MG no dia 9 de dezembro.