Publicidade

Mansueto: Não podemos entrar em briga tola, infantil contra globalização

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, afirmou que o Brasil precisa expandir a presença no mercado internacional e aumentar tanto as exportações quanto as importações. Ele afirmou que a tarefa será um desafio, já que vários países do mundo já estavam se tornando mais protecionistas antes mesmo da pandemia da covid-19. O secretário, no entanto, defendeu a globalização e o resgate da Organização Mundial do Comércio (OMC) e disse que a solução para a crise não é se fechar.

"Precisamos aprender a cooperar no comércio internacional, não nos fechar", afirmou Mansueto, em webinar promovido pelo site Focus.jor. "Não podemos entrar numa briga tola e infantil contra a globalização. Todos perderão com isso", acrescentou.

Segundo Mansueto, após a crise da covid-19, o mundo voltará a procurar investimentos rentáveis, e o setor privado precisa ter confiança no Brasil para aplicar recursos em infraestrutura. Essa confiança, afirmou Mansueto, também pode influenciar o câmbio. Ele ponderou, no entanto, que esse assunto é da alçada do Banco Central. "Se o câmbio vai recuar mais ou não, depende de nós criarmos um ambiente favorável aos investimentos."

Mansueto reconheceu que o real foi a moeda que mais perdeu valor frente ao dólar nos últimos meses. Ele mencionou a pandemia e também o receio de investidores em relação às disputas políticas e o receio sobre a aprovação de reformas. "Para onde vai o câmbio é uma pergunta em aberto", afirmou.

Ainda sobre os efeitos da globalização, ele disse que a divisão do trabalho aumentou a produtividade e foi boa para vários países, inclusive para o Brasil, pois barateou os preços de itens que antes eram considerados artigos de luxo, como telefones. "Se queremos produzir tudo dentro da fronteira, teremos produtos ruins e muito caros", afirmou Mansueto.

O secretário ressaltou ainda a importância da construção de acordos comerciais pela OMC, fundamentais, segundo ele, para a construção do estado de bem estar social no pós-guerra. "Precisamos respeitar fóruns e aprender a cooperar no comércio internacional, não nos fechar", afirmou. "Proteção não leva a mais crescimento. Não adianta aumentar tarifas. Tenho muito medo e temos de ter cuidado com essa onda protecionista. Todo mundo vai perder."

Publicidade

Plantão de Notícias

Mais notícias

DESTAQUES DOS EDITORES